Investigação

Polícia Militar afasta PMs suspeitos de envolvimento no desaparecimento de jovem em Paço do Lumiar

Marcelo Melo Machado foi visto pela última vez em 6 de setembro deste ano após abordagem policial no bairro Pindoba.
Imirante.com, com informações da TV Mirante14/10/2021 às 09h54
Marcelo Melo Machado tinha 25 anos e sofria de esquizofrenia. (Foto: Reprodução / TV Mirante)

SÃO LUÍS – A Polícia Militar do Maranhão (PMMA) afastou os dois policiais suspeitos de envolvimento no desaparecimento do jovem Marcelo Melo Machado, de 25 anos, que sofria esquizofrenia. A decisão de afastamento do sargento Luís Magno da Silva e do soldado Giovani dos Santos Silva foi do Comando-Geral da Polícia Militar.

Saiba mais: Corpo encontrado em Paço do Lumiar pode ser de jovem desparecido há mais de um mês após abordagem policial

Os dois policiais militares foram indiciados por abandonarem alguém que estava sob custódia da PM e que era incapaz de se defender dos riscos resultantes do abandono, o que é considerado crime militar.

De acordo com a Polícia Civil do Maranhão (PC-MA), o inquérito policial apurou apenas erros operacionais dos policiais, que disseram ter levado o jovem na viatura e depois entregue a supostos conhecidos.

Além dos dois militares, outros dois policiais que coordenaram a ocorrência, no Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) também foram indiciados, porque teriam que acompanhar o caso até Marcelo ser levado à delegacia.

“Os policiais militares foram indiciados no inquérito. Nós afastamos os policiais e vamos abrir um conselho de disciplina e de justificação. A Polícia Militar não coaduna com qualquer desvio ou qualquer ocorrência em que o policial militar ele sai do padrão legal no atendimento de uma ocorrência”, Pedro Ribeiro, Comandante da Polícia Militar.

A polícia agora aguarda o resultado do exame de DNA que pode confirmar que o corpo é mesmo de Marcelo, se houver essa confirmação, os dois policiais que aparecem no vídeo deixarão de ser tratados como testemunhas do caso, mas sim investigados.

“Os policiais militares vão ter que ser chamados novamente. Não tem jeito. Passam a ser de testemunhas a investigados. Mas isso não quer dizer que, necessariamente, foram eles os causadores da morte, mas infelizmente participaram de uma condução que não levaram para uma unidade”, Marconi Matos, delegado.

O advogado da família diz que há preocupação com o resultado do laudo, por conta do estado que o corpo foi encontrado. “Com um cadáver que quase não existiam partes moles, órgãos e a perícia tem essa dificuldade de concluir ou não a causa mortes”, disse Roberto Carlos.

Para o pai de Marcelo, José Dos Santos Machado, o crime que cometeram contra o seu filho foi uma grande barbaridade. “Depois que os dois policiais pegaram meu filho mais nenhuma pessoa olhou ele. Só olharam nesse dia que pegaram ele e depois disso aí não olharam mais, não olharam mais. Nós vasculhamos aquela área todinha onde foi encontrado e ninguém viu. Depois de um mês foi que encontraram o cadáver do meu filho. Uma barbaridade o que fizeram com meu filho”, disse.

Miriam Costa, mãe de Marcelo, pede justiça aos envolvidos na morte contra Marcelo Machado. “Meu coração tá totalmente partido. Muita dor. Só Deus mesmo que tá me confortando, me dando força pra me seguir em frente e buscar justiça. Que a justiça seja feita e que esses monstros paguem o que eles fizeram”, finalizou.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.