Estado Maior

Conhecendo os pré-candidatos

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h15

O jornal O Estado começa neste fim de semana uma série de entrevistas com os pré-candidatos ao governo do Maranhão que já declararam participação no pleito em 2022. Serão seis entrevistas que darão a oportunidade aos leitores de conhecer um pouco mais sobre os postulantes ao comando do Palácio dos Leões.
O momento atual não é exatamente de falar em propostas e planos de governo. O cenário é para entender os movimentos políticos que poderão definir a participação de cada um dos pré-candidatos no jogo eleitoral.
Abrindo a série de entrevistas está o deputado federal e presidente estadual do PL, Josimar de Maranhãozinho. Ele trata sobre sua postura diante da impossibilidade de ser candidato do grupo do governador Flávio Dino (PSB), o rompimento com os governistas - incluindo levar os seus deputados estaduais e também federais para a oposição ao Palácio dos Leões -, e ainda a busca pela composição de sua chapa majoritária, cujo leque de diálogo foi aberto com o senador Roberto Rocha (sem partido), que terá a oportunidade de disputar a reeleição compondo com Maranhãozinho.
Apesar de não ter afirmado, o encontro de Josimar e Roberto Rocha passa a ideia de que o presidente do PL quer mesmo dar o seu palanque aqui no Maranhão ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).
Apesar de ter saído do encontro com Bolsonaro sem nada concreto, na entrevista, Maranhãozinho garante que houve avanços no diálogo político.
A entrevista de O Estado mostra os movimentos políticos do presidente do PL e assim fará com os demais pré-candidatos ao governo do Maranhão.

Vagas
Ainda sobre Josimar de Maranhãozinho, ele acredita que seu grupo político deverá ter um terço das vagas na Câmara dos Deputados.
Este total, segundo ele, reúne o PL, o Patriota e o Avante. De acordo com Maranhãozinho, pelas composições de futuras candidaturas de cada legenda, seis vagas de deputado federal.
Para a Assembleia Legislativa, ainda não há a expectativa do deputado para a bancada aliada. Mas, ainda segundo ele, aumentará. Atualmente, ele tem quatro deputados aliados na Casa.

Mantida
O governo do Maranhão e a Prefeitura de São Luís decidiram manter a vacinação dos adolescentes de 12 a 17 anos, dando prioridade para os que tenham deficiência ou comorbidades, mesmo com o Ministério da Saúde recomendando a suspensão.
A decisão, segundo as gestões, tem base na decisão da Anvisa, que não vê justificativas para a suspensão da imunização dos jovens.
Resta saber agora se haverá de fato doses disponíveis para vacinar os adolescentes. A ideia é garantir a segunda dose para todos os jovens que receberam a primeira.

Crise institucional
A Revista Veja trouxe em sua edição uma frase do ex-presidente da República, José Sarney, sobre a crise institucional no Brasil entre Judiciário e o Executivo.
“Judicializaram a política e politizaram a Justiça”, disse Sarney. Ele usa a frase, dita, segundo ele, pelo ex-ministro Nelson Jobim.
A frase representa bem o momento pelo qual passa o Brasil.

Meia verdades
A pauta do aumento de combustível continua dominando as redes sociais de políticos no Maranhão. Com meias verdades, a discussão tenta apontar culpados pelo aumento no estado.
Para manter a narrativa do presidente da República, Jair Bolsonaro, de que os estados e o ICMS são culpados pelos valores do produto, o senador Roberto Rocha tentar encontrar provas disto.
Ele – e o seu talvez aliado, deputado Wellington do Curso (PSDB) – insistem em acusar Dino de aumentar a alíquota do ICMS no Maranhão.

Querelas
Não houve aumento de combustível deste 2019. O que ocorre é um ato corriqueiro nas Secretarias Estaduais de Fazenda sobre a pauta fiscal.
O aumento do valor mínimo de uma mercadoria para ser vendida ao consumidor é a razão para as meias verdades ditas.
O debate, portanto, é infrutífero e tem olhos somente para querelas políticas e eleitorais.

DE OLHO

30% da capacidade dos estádios é o limite de ocupação em jogos de futebol. Este é um dos critérios sanitários estabelecidos pela Prefeitura de São Luís para o retorno do público aos estádios.

Sem se importar!
O senador Weverton Rocha (PDT) se mantém sem se importar com o limite da legislação eleitoral para realizar pré-campanha eleitoral.
Na sexta-feira (17), o pedetista voltou a reunir milhares de pessoas em seu “Maranhão mais feliz”. Desta vez, foi em Pinheiro.
O evento, que teve direito a carro de som com chamamento público, teve estrutura de campanha com direito a comício.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.