Cidades | Imperatriz

Defesa Civil alerta sobre perigo de produtos cortantes em linha de pipas

Apesar de ser um lazer, empinar pipa com uso de produtos proibidos é crime
21/07/2021 às 15h27
Defesa Civil alerta sobre perigo de produtos cortantes em linha de pipas Usar cerol ou linha chilena, colocando a vida e saúde de terceiros em risco, é crime com pena de três meses a um ano de detenção. (Divulgação)

Imperatriz - O período de férias chegou e com ele as tradicionais brincadeiras de papagaio/ pipa. Seja nos bairros, na Beira Rio ou até nas praias, não é raro presenciar crianças, adolescentes e adultos empinando pipas em Imperatriz.

Diante disso, a Prefeitura, por meio da Defesa Civil, alerta sobre os perigos do uso de produtos cortantes nas linhas utilizadas na brincadeira.

O superintendente Josiano Galvão explica que dentre as mais utilizadas está a linha de cerol, feita com mistura de cola e vidro moído. E a chilena, que é muito mais nociva que a linha anterior, feita de quartzo moído e óxido de alumínio.

“Empinar pipa é saudável, é divertido, mas a partir do momento que você utiliza cerol ou qualquer outro tipo de substância que coloque em risco a vida de terceiros, já não é brincadeira, mas sim um crime. Já presenciamos inúmeros relatos de pessoas que ficaram doentes e até perderam a vida por conta dessa irresponsabilidade, ou seja, não podemos aceitar que mais pessoas sejam prejudicadas”, afirma Josiano Galvão.

O superintendente reforça ainda que para que recreação seja feita em locais abertos, visando que não ocorra lesão corporal ou acidentes mais graves, evitando se possível locais como praças, jardins, parques, ruas, estradas, por exemplo onde motociclistas, ciclistas, skatistas e pedestres estejam.

É recomendado também a não prática de empinar pipa onde tenha rede elétrica. Os pais devem ficar atentos, orientando seus filhos. Em caso de descumprimento em relação a risco de terceiros, qualquer pessoa pode denunciar através do serviço via WhatsApp (99) 99152-0832.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte