Geral | Covid-19

Pandemia: Desligamento do emprego por morte cresce 89% no país

O luto ainda é tabu nas empresas e só 37,1% dos trabalhadores são assistidos por plano funeral empresarial ou seguro
18/07/2021 às 08h18

Curitiba - Os profissionais que precisam trabalhar presencialmente respondem pela maior parte dos desligamentos do emprego por morte, com destaque para motoristas de caminhão, faxineiros e vendedores. Só no primeiro quadrimestre deste ano, em relação a 2020, houve um salto de 89% nos registros de fim do vínculo empregatício pelo falecimento do colaborador. O dado é da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, que associa esse crescimento aos efeitos da pandemia da Covid-19.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

Assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte