Polícia | Morte violenta

Capital teve dois linchamentos em menos de 48 horas

Um dos casos ocorreu na Liberdade; vítima teve cabeça esmagada; outro crime foi no Coroadinho
07/07/2021 às 00h00
Capital teve dois linchamentos em menos de 48 horasJadson foi linchado após matar (Divulgação)

São Luís - Dois casos de linchamento foram registrados pela polícia em um intervalo de menos de 48 horas em São Luís. Um dos crimes ocorreu na noite de segunda-feira, 5, no bairro Liberdade, e a vítima foi identificada como Hugo Raniery da Costa, de 21 anos.

A polícia informou que Hugo Costa foi assassinado por faccionados da área da Liberdade. O jovem foi agredido até a morte e teve a cabeça esmagada. Além de levar vários chutes no rosto e em outras partes do corpo, ele foi golpeado com facão e levou várias pauladas.

A vítima foi jogada, morta, nas proximidades da sede do Batalhão da Polícia Militar Tiradentes, localizado no bairro Liberdade. Peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) e policiais militares estiveram no local.

O caso está sendo investigado pela equipe da Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP), mas, não revelou a motivação do crime.

Linchamento
A Polícia Civil também está investigando o outro caso de linchamento, ocorrido na madrugada do último dia 4, na Vila São Sebastião, na área do Coroadinho. A vítima foi Jadson de Jesus Ribeiro Leite, Jall, de 22 anos. Ainda ontem não tinha registro de prisão dos suspeitos.

Segundo a polícia, Jadson Leite fazia parte de uma facção criminosa e era acusado de ter assassinado a tiros Raimundo Coelho Cabral, de 51 anos, que era proprietário de um bar, localizado na região do Coroadinho. Pessoas revoltadas com a morte de Raimundo Cabral teriam linchado Jall, que sofreu várias escoriações pelo corpo, principalmente na cabeça e abdômen.

Agente penitenciário
O presidente do Sindicato dos Servidores do Sistema Penitenciário do Estado do Maranhão (Sindspem-MA), Márcio Rodrigues, confirmou que o policial penal maranhense Arlindo Lima de Oliveira Neto, de 32 anos, morreu no último dia 5.

No último dia 27, Arlindo Neto participava de evento na residência de um amigo, localizada no Parque Estrela, na cidade piauiense de Campo Maior, quando dois homens chegaram ao local em uma motocicleta e anunciaram o assalto. Os bandidos roubaram o celular de uma pessoa na festa como também balearam o policial penal e Sebastião Alves de Sousa Neto.

Arlindo Neto foi atingindo no tórax, enquanto, a outra vítima sofreu um tiro de raspão no braço. O policial penal e m razão da gravidade do ferimento foi encaminhado para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT), na capital piauiense, onde passou por tratamento cirúrgico, mas, veio a falecer no último dia 5.

O velório de Arlindo Neto ocorreu em Campo Maior, mas, o sepultamento, em Coivaras, no Piauí. Ele deixou dois filhos, ingressou na Polícia Penal maranhense, no ano de 2017 e trabalhava no presídio Maracujá, na cidade de Timon.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte