Cidades | Conscientização

Projeto em escolas alerta para bullying e violência contra mulher

Projeto existe há 8 anos; alunos e alunas recebem palestras e outras atividades sobre bullying; um dos temas que será tratado na edição deste ano é a violência contra a mulher
Nelson Melo / O Estado13/09/2019

“Educai as crianças, para que não seja necessário punir os adultos”. A frase, atribuída ao filósofo e matemático Pitágoras de Samos, poderia ser um lema na atualidade nesse contexto de violência desenfreada no Brasil. Pensando nisso, o guarda municipal e pedagogo Antonio Bergson de Sousa Rios Júnior desenvolve um projeto nas escolas municipais de São Luís. O foco é trabalhar cinco eixos temáticos com as crianças e adolescentes, incluindo bullying e a violência contra a mulher.
A abertura do projeto, que enfatiza a violência escolar, ocorreu na tarde dessa quinta-feira, 12, na Unidade de Ensino Básico (UEB) Governador Jackson Kepler Lago, na Cidade Operária, na capital maranhense. De acordo com o idealizador da iniciativa, as ações acontecem há oito anos, e ocorrem somente nas escolas municipais. Os eixos trabalhados são bullying, depredação do patrimônio público, drogas, indisciplina e violência contra a mulher.
Especialista em Coordenação Pedagógica, Antonio Bergson esclareceu que o projeto é dividido em 12 etapas. “A gente desenvolve o projeto há 8 anos, sempre em escolas do município. Lá na UEB Jackson Lago, como são 11 turmas, a gente vai trabalhar durante 4 meses. Iremos trabalhar os cinco eixos temáticos diariamente. Cada eixo será trabalhado de forma diferente. Nos cinco eixos, serão feitas várias palestras”, frisou o pedagogo.
Bergson deixou claro que, além de palestras, também serão exibidos filmes aos alunos e alunas. Uma caminhada será realizada dentro da temática e, ao final do projeto na escola, uma cartilha será produzida. “Antes do encerramento, a gente vai fazer uma cartilha, uma cartilha da paz, como se fosse um contrato social no qual os próprios estudantes falarão o que pode e não pode fazer dentro do ambiente escolar, para terem uma convivência saudável uns com os outros”, explicou o guarda municipal.
Cabe ressaltar que essa cartilha será produzida pelos alunos e alunas, mas será confeccionada pelos membros do projeto. “Eles é que vão dar as diretrizes para terem uma escola de paz. Ano passado, a gente aplicou na escola Severiano de Sousa, na área Itaqui-Bacanga”, completou o pedagogo.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte