Julgamento

Acusadas de crime em Matinha vão a júri popular este ano

As irmãs Tainar e Taiana dos Santos, que mataram Kelrrey Daiana em abril serão julgadas ainda este ano naquela cidade

Ismael Araújo

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h23
Tainar e Taiana dos Santos vão a julgamento por homicídio
Tainar e Taiana dos Santos vão a julgamento por homicídio (Irmãs)

MATINHA - O Poder Judiciário decidiu que as irmãs Tainar e Taiana dos Santos devem ir a Júri Popular ainda este ano por terem assassinado a golpes de faca, Kelrrey Daiana Ferreira Moizinho. O crime ocorreu no dia 9 de abril deste ano, na cidade de Matinha.

O magistrado desse município, Celso Serafim, acolheu o pedido do Ministério Público para que as suspeitas sejam submetidas a Júri Popular. Há indícios de autoria e prova da materialidade delitiva para essa decisão. O juiz mandou informar aos advogados e o Ministério Público sobre a pronúncia e que em 15 dias será publicado o edital para o julgamento.

De acordo com a polícia, as acusadas chegaram a ser presas após o crime, mas no mês passado, Tainar dos Santos foi solta em cumprimento de uma ordem expedida pelo Tribunal de Justiça. A defesa dela alegou que a sua cliente tinha um filho de 6 anos, que precisava de sua atenção.

No decorrer da investigação, as suspeitas declararam que Kellrry Moizinho havia brigado com a mãe delas e no momento estava portando uma faca. A vítima também estaria armada no dia em que foi morta.

Mais Julgamentos

Ainda durante a Semana da Justiça pela Paz em Casa vai ocorrer nesta quarta-feira, 21, o julgamento do ajudante de mecânica, Elton Jorge Almeida Araújo, o Rabicó, acusado de crime de feminicídio. Ele é suspeito de ter assassinado a própria esposa, Fernanda Sousa Silva, no dia 27 de janeiro de 2014, em uma quitinete, no Bairro de Fátima. O julgamento vai ser presidido pelo juiz da 3ª Vara do Tribunal do Júri de São Luís, Clésio Cunha.

Na sexta-feira, 23, vai sentar no banco dos réus do Fórum Desembargador Sarney Costa, no Calhau, Marcelo de Freitas Moraes, suspeito de ter matado a companheira, Mayara de Chagas Cardoso, no dia 4 de janeiro de 2016, no São Cristóvão. A polícia informou que esse crime foi motivado por ciúmes excessivo que o suspeito sentia da vítima.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.