Política | Espionagem

Denúncias contra Portela devem ser levadas a Dodge e Justiça Federal

Parlamentares que participaram da oitiva com Tiago Bardal e Ney Anderson asseguraram desdobramentos nas investigações contra Jefferson Portela
Ronaldo Rocha da editoria de Política04/07/2019

As graves denúncias que pesam contra o secretário de Estado de Segurança Pública, Jefferson Portela (PCdoB), sustentadas pelos delegados de Polícia Civil Tiago Mattos Bardal e Ney Anderson da Silva Gaspar na oitiva realizada terça-feira pela Comissão de Segurança e Combate ao Crime Organizado da Câmara Federal, serão levadas à procuradora-geral da República, Raquel Dodge e à Justiça Federal.
É o que asseguram os deputados federais Aluisio Mendes (Podemos) - que presidiu a oitiva - e Edilázio Júnior (PSD), além do senador Roberto Rocha (PSDB), que, segundo os delegados, foi um dos possíveis alvos de espionagem da cúpula da SSP.
Aluisio afirmou, durante a oitiva, que pedirá a Raquel Dodge abertura de investigação, com sustentação no relatório que será elaborado após a conclusão de todas as oitivas realizadas. Ele afirmou que outras oito pessoas devem prestar depoimentos ao colegiado.
“Quero dizer que já protocolei um outro requerimento na Comissão de Segurança Pública, número 90/2019, para que a comissão vá ao Maranhão, porque, além dos delegados Ney Anderson e Tiago Bardal, mais oito pessoas, incluindo integrantes do Sistema de Segurança Pública do estado, já se dispuseram a fazer depoimentos. Já oferecemos o instrumento da delação premiada, porque essas pessoas são hoje coagidas. Vamos acompanhados de membros do Ministério Público Federal”, revelou.
O senador Roberto Rocha também garantiu empenho no Senado para que o caso seja levado à Justiça Federal.
Citado pelo delegado Ney Anderson como um dos possíveis alvo de Portela - por meio de investigação clandestina -, o tucano pediu as notas taquigráficas das oitivas, relatou preocupação com a gravidade do caso e assegurou empenho para que haja uma investigação isenta.
“Levarei ao Plenário do Senado as graves denúncias feitas por dois delegados da polícia do Maranhão, em oitiva na Câmara de Deputados, denunciando o uso de arapongagem feita pelo Secretário de Segurança do Maranhão”, disse.
Ele afirmou que o Senado deve realizar audiências para apurar as graves denúncias. “Segundo a denúncia, a Secretaria de Segurança teria grampeado, sem ordem judicial, os telefones de desembargadores, deputados e de senador, para uso exclusivamente político. Mobilizarei a Justiça Federal para que se investiguem essas acusações”, completou.
Edilázio Júnior também destacou a oitiva dos delegados, ressaltou a consistência das denúncias e disse que pedirá a federalização do caso.
“Todos nós estávamos ansiosos sobre o depoimento dos delegados. E eles mostraram muita firmeza, foram contundentes. Falaram no­mes de operações, nomes de pessoas que foram investigadas, e cabe agora ao secretário de Segurança pedir voluntariamente a auditoria no Sistema Guardião ou aguardar o que vou fazer aqui na Câmara e no Senado, que é pedir a federalização das investigações, para que possamos saber quem está faltando com a verdade: se são os delegados e ou se é o secretário de Segurança Pública do estado do Maranhão”, finalizou.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte