Polícia | Caso professora

Agente diz ter matado professora por causa de dívida de R$ 2.500

Vítima foi encontrada morta no campus da UFMA e o acusado já está preso; além do débito, ele ainda usou o cartão em saque bancário e supermercado
Ismael Araújo23/05/2019
Agente diz ter matado professora por causa de dívida de R$ 2.500Márcio Jorge Lago Marques foi preso e confessou ter matado a professora (Biné Morais)

SÃO LUÍS - A Polícia Civil confirmou, ontem, em coletiva, que o agente penitenciário temporário Márcio Jorge Lago Marques, de 39 anos, foio o autor do assassinato da professora Rosiane Costa, de 45 anos, cujo corpo foi encontrado semidespido e com sinais de violência, no último dia 13, no campus da Universidade Federal do Maranhão (UFMA. A motivação para o crime seria a importância de R$ 2.500,00 que a vítima havia emprestado ao acusado, na época em que tiveram um relacionamento amoroso.

O caso está sob investigação do Departamento de Feminicídio, sob a coordenação da delegada Viviane Fontenelle. Ela informou que o acusado foi preso em cumprimento de uma ordem judicial na noite de terça-feira, 21, em um bar, na Avenida Litorânea, no Calhau. Ele foi conduzido para a Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP), na Beira-Mar, onde confessou e contou detalhe de como planejou o crime.

Ainda na manhã desta quarta-feira, 22, Márcio Jorge foi submetido a exames periciais no Instituto de Criminalística (Icrim) e após a apresentação a imprensa, foi encaminhado ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas onde ficará à disposição do Poder Judiciário. A delegada declarou que o veículo Gol, utilizado pelo acusado no dia do crime também foi periciado. “O objetivo desse trabalho pericial é para coletar mais provas materiais que serão anexadas no inquérito”, disse Viviane Fontenelle.

Declaração

“O acusado confessou a autoria do crime durante o depoimento na sede da SHPP, logo após a sua prisão”, disse a delegada. Ele declarou que conheceu a vítima há dois anos por meio de um site de relacionamento e chegaram a ter um relacionamento amoroso. Durante essa relação, a professora teria emprestado R$ 2.500,00 para o acusado e chegou a cobrá-lo várias vezes, mas acabou não recebendo o pagamento.

Na tarde do dia 12, o suspeito após deixar a sua esposa no trabalho, na área Itaqui-Bacanga, foi ao encontro da professora Rosiane Costa e a levou para a sua residência, no Jardim Turu. No local, ela cobrou mais uma vez a dívida e por isso foi assassinada.

A delegada informou que Márcio Jorge atacou a vítima com um golpe denominado “mata-leão” causando a sua morte por asfixia. Ele colocou o corpo no banco traseiro do carro e o abandonou no campus da UFMA e em seguida foi buscar a esposa no trabalho.

Identificação

A delegada declarou que a polícia conseguiu identificar o acusado por meio de uma investigação que teve início logo após o achado do corpo. Durante esse trabalho, foi constatado que o suspeito teria ido ao um supermercado, na área Itaqui-Bacanga, onde realizou compras no valor de R$ 691,00 utilizando o cartão da vítima. Ele fez, ainda, um saque de R$ 1 mil.

Também ficou comprovado que o acusado teria usado no dia do crime, no campus da UFMA, em um veículo Gol. A delegada informou que Márcio Jorge trabalha no sistema penitenciário há mais de três anos. Primeiramente, ele era lotado no Hospital Nina Rodrigues, mas foi transferido para a equipe do Núcleo de Escolta de Custódia (NEC). Ele também está sendo investigado pelo crime assédio que teve como vítima uma servidora do sistema penitenciário.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte