Polícia | Faccionados

"Tribunal do crime" promove atos bárbaros no Maranhão

Somente neste mês, um total de oito pessoas perderam a vida após serem penalizadas por integrantes de facções criminosas na região metropolitana; polícia registrou crimes de tortura e esquartejamento
Ismael Araújo18/05/2019
"Tribunal do crime" promove atos bárbaros no MaranhãoEvanderson Hollyfilder e Nathaniel de Sousa assassinados na Raposa (Divulgação)

SÃO LUÍS - Integrantes do “Tribunal do Crime” estão agindo quase que diariamente em todo o estado. Somente neste mês, oito pessoas perderam a vida após serem penalizadas por esses “faccionados” na Grande Ilha. A polícia registrou casos de esquartejamento, tortura e tentativa de homicídio cometidos por esses criminosos no Maranhão.

Veja Também:

Facção "domina" bairro da capital e "tribunal do crime" impõe medo e terror

Dois jovens são torturados e executados no bairro Pirâmide

Durante esta semana circulou nas redes sociais um vídeo bárbaro que chocou a população. As imagens mostram Evanderson Hollyfilder Gaioso Pereira, de 22 anos, e Nathaniel de Sousa Barbosa, o Nathan, de 24 anos, sendo agredidos a soco, pontapés e a pauladas. O vídeo exibe, ainda, as vítimas sendo baleadas. Uma delas chegou a dizer que era moradora do Bairro de Fátima e se autodenominou ser integrante de um determinado grupo criminoso com base no Rio de Janeiro.

A polícia informou que as vítimas haviam sido penalizadas pelo Tribunal do Crime, em julgamento realizado na noite do último dia 12, na área da Pirâmide, na cidade de Raposa. Mais de 20 faccionados teriam participado dessa operação. Toda a ação criminosa teria sido filmada e postada na internet pelos criminosos.

Dia das Mães

Ainda de acordo com a polícia, os jovens teriam ido passar o Dia das Mães na residência de parentes na Pirâmide e à tarde, foram a um ponto comercial na localidade onde teriam sido ameaçados de morte pelos criminosos.

No começo da noite, o grupo invadiu a residência dos familiares dos jovens e criaram um clima de pânico no local, sequestrando Evanderson Gaioso e Natahaniel Barbosa foram levados para uma área de matagal onde foram espancados e mortos a tiros.

O caso está sob investigação da Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP), que prendeu, na terça-feira, 14, dois envolvidos, identificados como Leandro do Nascimento da Silva, de 26 anos, e Juarez Silva Ferreira, de 25 anos, na Raposa. A polícia também já conseguiu identificar mais seis acusados, que já com prisão solicitada ao Poder Judiciário.

Também no dia da Mães foi executado Maylon Muniz Mineiro, de 20 anos, na Vila Palmeira. A vítima teria sido punida pelos faccionados, segundo o delegado Jeffrey Furtado, da SHPP. O jovem era morador do município de Santa Rita e há dois meses estava na capital, em visita a sua mãe, na Vila Palmeira.

No dia do crime, a vítima, em companhia de uma adolescente, tinha ido a uma festa nas proximidades do bairro e quando retornavam, ela foi abordada e atingida com vários tiros e morreu no local.

Execução

Na Vila dos Frades, área do Coroadinho, a polícia informou que Marcelo Henrique Costa, de 22 anos, foi executado em via pública, na tarde do dia 15 deste mês. Ele teria deixado um grupo criminoso que atua na localidade e por isso foi condenado a morte pelos integrantes do Tribunal do Crime dessa facção.

Marcelo Henrique foi alvejado com três tiros, um deles na cabeça, e morreu no local. Os acusados fugiram a pé. O corpo do jovem foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), no Bacanga, para a autópsia e em seguida liberado para os familiares. Marcelo Henrique, segundo a polícia, tinha passagem pela polícia e na semana anterior ao crime, havia sido foi preso por uma guarnição da Polícia Militar.

Esquartejamento

No último dia 4 foi encontrado o corpo de Derick Ruan Malheiro, de 23 anos, em uma área de matagal, no Rio Anil Bequimão. A vítima foi esquartejada e enterrada em uma cova rasa. Os moradores declararam que o jovem havia sido “julgado” pelo Tribunal do Crime e estava sumida desde o dia 1º deste mês.

Segundo a polícia, Derick Ruan teria sido julgada e sentenciada de forma equivocada pelos criminosos. Ele foi retirado de sua residência e em seguida submetido ao ato bárbaro.

Conflitos

A polícia informou que 90% dos assassinatos ocorridos na Ilha tem como vítima “faccionados”. A maioria dos casos é motivado por disputa territorial, vingança por mortes de “irmãos” entre facções rivais, principalmente, na área do Coroadinho e Cidade Olímpica e também pelos conflitos internos. Somente neste mês, ocorreram três assassinatos em decorrência de conflitos internos entre faccionados.

As vítimas foram identificadas como Valdir Manoel da Silva Aguiar, de 39 anos, na Jota Câmara; Francivan de Abreu Almeida, de 29 anos, no Andiroba; e Gleidson Alexandre Lima da Silva, de 29 anos, na Cidade Operária.

Esses crimes primeiramente são investigados pelo Grupo Especial de Atendimento ao Local de Crime e, em seguida, encaminhados para as delegacias de áreas da SHPP, que fazem a investigação de segmento.

Tortura

Um dos integrantes do “Tribunal do Crime”, Lucas de Sousa Araújo, foi preso no dia 9 deste mês em cumprimento de uma ordem judicial, em Timon. Segundo a polícia, ele e Francisco Rodrigues Andrade, o Lorin, eram acusados do sequestrado e tortura de uma criança, de 10 anos, em setembro do ano passado, nessa cidade.

O caso foi investigado pela pela Polícia Civil que identificou Lucas de Sousa como um dos autores do crime. Ele foi localizado no residencial Cocais e apresentado na Delegacia Regional de Timon. A polícia informou que a dupla teria chicoteado a criança para que falasse onde estaria uma motocicleta roubada. A vítima foi encontrada com vários hematomas em um cativeiro.

Prisão

No último dia 9, um traficante, nome não revelado, foi preso no bairro Liberdade, por uma guarnição do Batalhão Tiradentes, da Polícia Militar, após punir com um tiro um suspeito de ter praticado um assalto no bairro.

A vítima do disparo foi Gleidson Lucas Reis Santos, o Marabá, mesmo indivíduo que na noite de 18 de abril deste ano, na Quinta-Feira Santa, fora preso, também pelo Batalhão Tiradentes, e obrigado a gravar um vídeo com pedido de perdão à sociedade e aos policiias pelos crimes que cometera.

Saiba mais

A polícia informou que o Tribunal do Crime é ilegal, criado para avaliar condutas de membros da facção ou de pessoas que vivem em sua área de influência. Os réus são acusados pelos criminosos de violar as regras do grupo, e por isso são "julgados", sendo perdoados ou condenados. A punição mais comum é a pena de morte. Um criminoso pode ser punido, por exemplo, se cometer um assassinato não autorizado pelo grupo ou se trair outro membro da organização.

Entenda o caso

Vítimas do Tribunal do Crime este mês na Ilha

Dia 4: O corpo de Derick Ruan Malheiro foi encontrado em uma área de matagal, no Rio Anil Bequimão. O jovem havia sido “julgado” por uma espécie de Tribunal do Crime.

Dia 8: Gleidson Alexandre Lima da Silva, de 29 anos, na Cidade Operária.

Dia 11: Francivan de Abreu Almeida, de 29 anos, Andiroba.

Dia 12: O ocorreu um duplo homicídio na Pirâmide, em Raposa. As vítimas foram torturadas e executadas por integrantes de uma facção criminosa. Também nesse dia foi registrado um assassinato na Vila Palmeira

Dia 13: Valdir Manoel da Silva Aguiar, de 39 anos, Jota Câmara.

Dia 15: Marcelo Henrique Costa, de 22 anos, foi executado na Vila dos Frades, área do Coroadinho; ele havia deixado um grupo criminoso e por isso foi executado.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte