Fotografia oficial

Polêmica: qual será a verdadeira imagem de Ana Jansen?

Estudioso sobre o assunto questiona foto, descrita e divulgada por Dunshee de Abranches em sua obra; assunto causa discussão entre especialistas

Thiago Bastos / O Estado

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h26

[e-s001]Uma observação suscitada pelo pesquisador e colecionador residente no Rio de Janeiro, Bruno Berger, destaca uma das personagens mais emblemáticas da história da cidade de São Luís e coloca em xeque um dos principais consensos, até então, da história oficial. A comerciante e dona de escravos Ana Joaquina Jansen Pereira, que reúne ao mesmo tempo fãs e críticos de sua história controversa, teve sua imagem - ou foto oficial - até então relacionada ao seu nome questionada.

Para começar as discussões acerca do tema, é preciso entender que a foto, como conhecemos de Ana Jansen até o momento, foi divulgada por Dunshee de Abranches. Após Abranches, o autor de “Perfil de Ana Jansen” (1985, 2a ed.), Waldemar Santos - que além de jornalista, também foi membro de instituições ligadas à história - também é defensor da imagem oficial. Segundo Berger, esta foto é passível de veracidade, pois, de acordo com o pesquisador, trata-se de uma “mulata com nariz achatado e cabelos crespos em coque”.

Para Berger, a pessoa registrada na foto de Abranches jamais poderia ser comparada a Ana Jansen, que, de acordo com a história oficial, reconhecida pelo estudioso, é de uma descendência integralmente européia, filha “de um português com uma holandesa”. Berger acredita que a foto citada e propagada por Abranches seria de uma “mercadora de escravos angolana”.
Ela teria até nome: Ana Joaquina dos Santos, uma jovem famosa e rica em Ângola, filha de um português com uma negra.

LEIA TAMBÉM

7ª e 8ª gerações vivas de Ana Jansen: mito é muito exagerado, avaliam


O casal luso-angolano fazia o chamado tráfico de escravos para o Brasil, fornecendo a mão de obra oriunda do território africano para uma personagem: Ana Jansen. A tese de Berger ao contestar a tal foto oficial de Ana Jansen é que a mercadora angolana teria feito negócios com a personagem maranhense. “É possível que ela tenha vindo ao Brasil, tirado uma foto por aqui, nada improvável, e ter sido propagado que a mercadora na verdade era Ana Jansen”, explica o pesquisador.

O Estado questionou Berger por que então Ana Jansen e a tal mercadora angolana não tiraram uma foto juntas. A resposta do pesquisador se baseou justamente na atividade controversa de comercialização escravocrata. Para o carioca, é por isso que as duas jamais apareceram juntas na lente dos fotógrafos. “Apesar de serem ricas, influentes e bastante famosas em sua época, é facilmente explicável, já que exerciam atividades ilícitas e não gostariam de ter suas imagens conhecidas”, disse.

[e-s001]Sobre a imagem defendida
Ao ser questionado acerca da imagem defendida por ele, Berger afirmou que a peça veio em um lote com cerca de 400 fotos adquirida de uma coleção de familiares de Hermes da Fonseca, político brasileiro. Para ele, seria o que alguns especialistas em fotografia chamam de “carte de visite”, imagens populares há alguns séculos e que teriam dimensão aproximada de 11x14 centímetros. A senhora fotografada, e juntada ao acervo de Berger, traz a imagem de uma pessoa com olhos claros e cabelos lisos.

O pesquisador entende que se trata de uma europeia, ainda “forte” e que apresentaria semelhança entre a tal “nova imagem” de Jansen e sua filha, Ana Augusta Jansen Ferreira. “Se for vista a foto que defendo, de Ana Jansen, e comparasse com a da filha, é possível ver como se parecem”, apontou.

No verso da foto, repassada por Berger a O Estado, é possível ver um carimbo, identificando o fotógrafo chamado de “D.Bello Sobrinho”. Em um dos trechos, é identificada a imagem como “D. Bello Sobrinho, photogra­phia instantanea, especial para crianças e pessoas nervosas”.

Prostituta?
A revelação mais, digamos, inesperada acerca dos argumentos de Berger consiste no fato de que Ana Jansen, na foto com traços europeus, teria sido ligada a uma figura de prostituta. A alegação se baseia no fato de que a imagem trazida pelo pesquisador apresenta uma placa, colocada sobre sua jaqueta. Apesar de praticamente ilegível na imagem original, Berger garante que o objeto contém os dizeres “frie hure”, que, em alemão, teria como tradução a expressão “prostituta livre”.

A relação entre a imagem de uma mulher sem compromisso e Ana Jansen faria sentido, de acordo com a pesquisa de Berger, pelo perfil de Ana Jansen, ou seja, mulher solteira, expulsa de casa, amante e mulher de um rico comerciante em seguida. Ele defende a ideia de que a placa somente foi colocada para tripudiar da imagem de Donana. “Com certeza ela foi dopada ou a acalmaram de alguma maneira para tirar esta foto com estes dizeres. Esta foto, portanto, foi uma vingança cruel feita por alguém”, afirmou.

Para Berger, não há como apontar com “absoluta certeza” que a foto de Abranches é a oficial. “Não se pode afirmar isso apenas em uma afirmação de uma pessoa sem nenhuma informação e comprovação”, afirmou. Segundo Berger, Abranches não teria condições de um aprofundamento preciso do assunto, por sua ocupação prioritariamente na política.

SAIBA MAIS

Argumentos favoráveis à foto de Abranches
Descoberta histórica de um dos nomes mais respeitados no assunto no estado.
Tese é seguida por outros historiadores.
Aspectos físicos da foto que se assemelham aos parentes mais novos de Ana Jansen.
Época da foto em que foi tirada.

Argumentos que defendem a foto trazida a público por Berger
Traços europeus que convergem com parte da origem genealógica de Jansen.
Citação à Jansen no verso da imagem.
Referência à placa em alemão, cuja tradução faria menção a “prostituta”.

Foto é contestada pelos familiares de Ana Jansen

A imagem que veio à tona, a partir dos estudos e pesquisas de Bru­no Berger, é contestada de forma veemente pela família de Ana Jansen que reside em São Luís. O Estado conversou com membros de uma das últimas gerações da comerciante, que apontam não ha­ver nenhuma possibilidade da imagem da senhora com traços europeus e placa com referência em alemão, em tese, ter condições de ser Ana Jansen. A família repudia qualquer relação de Ana Jansen com a imagem de prostituta ou “mulher da vida”.

A defesa da família de Donana é feita por Marcos Ponts, que, genealogicamente falando, tem Ana Jansen como além de tetravó. Ele, que veio “biologicamente” de Anastácio, um dos filhos de Ana Jansen, afirma que a confiança na foto guardada pela família de Jansen é a própria história. A imagem corroborada por familiares de Ana Jansen seria de uma mulher com olhos marcantes e maçãs do rosto robustas, o que seria um traço da família e que fugiria da imagem trazida por Berger.

Outro argumento trazido por Ponts é quanto à vestimenta. A foto de Berger supostamente de Ana Jansen é alusiva a uma mulher com uma espécie de “terninho”. A vestimenta não era co­mum entre mulheres do século XIX, quando Ana Jansen viveu. De acordo com pesquisas sobre o assunto, o modelo começa a surgir de maneira ostensiva a partir do fim do século XIX e começo do século XX, período em que Donana já havia falecido.

Mostrando fotos de outros descendentes de Ana Jansen, Marcos Ponts cita a descoberta de Abranches como a referência histórica da sua parente. “Não há como contestar tal descoberta feita por uma das referências para a pesquisa acerca de Ana Jansen”, afirmou.

A foto defendida pelos familiares da personagem marcante é de meados da segunda metade do século XIX. De acordo com “O Cativeiro”, de 1841, o registro seria de 1869. A obra é de Dunshee de Abranches, natural da cidade de São Luís e nascido em 1868. Ele tentou enveredar pela medicina. No entanto, foi na política e no jornalismo que Abranches marcou época.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.