Fé e devoção

Fim do festejo: devotos rendem graças a São José de Ribamar

Festa religiosa teve início no dia 1º de setembro e foi encerrada ontem, com programação incluindo missas, batizados e procissões; fieis participaram com orações, romaria e pagamento de promessas ao santo de devoção

Evandro Júnior / O Estado

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h28

[e-s001]Nem o sol escaldante de quase 40° tirou o entusiasmo de quem se dirigiu ontem ao Santuário de São José de Ribamar para acompanhar a programação de encerramento do tradicional festejo em homenagem ao santo milagroso e padroeiro dos pescadores, cujo tema foi “Juventude, Fé e Devoção”. Por volta das 10h, o padre Gutemberg Feitosa, vice-reitor do Santuário, celebrava a segunda missa do dia, sendo que a primeira havia sido conduzida por volta das 6h. Nesta segunda, os romeiros continuam a despedida oficial, nas celebrações das 7h e das 17h.

“Nós estamos encerramento o festejo com chave de ouro e um sentimento de alegria e satisfação. Foram dois meses de preparação e deu tudo certo. Aqui, acolhemos pessoas de todos os cantos do Maranhão e do Brasil e muitos vieram pagar suas promessas, numa demonstração de fé que contagiou a todos. Pedimos mais força para continuarmos este importante trabalho de evangelização por meio da realização deste tradicional festejo”, disse o padre, que celebrou a missa na Concha
Acústica posicionada em uma das extremidades da Praça da Igreja Matriz.

[e-s001]As manifestações de fé transcorreram ao longo do dia, dentro da programação marcada por missas, batizados e procissões. Na Gruta dos Milagres, os fieis acenderam velas e rezaram concentradas, agradecendo pelas graças alcançadas e pedindo proteção ao santo. Dentro da igreja, a dona de casa Leila Ferreira pediu ao padre Gutemberg Feitosa para rezar sobre sua Bíblia, com fotos de membros de sua família.

“Sou devota de São José de Ribamar, porque ele tem me ajudado muito. Se venci a depressão, foi porque ele me salvou. Aliás, tenho outros exemplos de milagres na família. Meu neto foi desenganado pelos médicos porque não podia andar e São José resolveu tudo. Logo, nunca deixo de vir participar deste festejo e onde vou levo a minha fé”, contou.

Ambulantes
Na praça, os ambulantes aproveitavam para comercializar produtos sacros e os campeões de venda eram as fitinhas com frases e os terços de São José de Ribamar. Alguns vieram de outros estados, exclusivamente para o festejo. “Vim do Ceará e depois da festa, volto para a minha cidade. Estou hospedado aqui mesmo, numa casa na praça”, disse Francisco Paiva, que posicionou sua estrutura em frente à igreja.

Durante os dias de festejo, os turistas eram vistos com frequência e todos os visitantes tiveram a oportunidade de conhecer a igreja matriz, que tem vitrais contando a história da cidade, além do Caminho de São José, com esculturas alusivas à peregrinação da família de Jesus, e a Concha Acústica, um monumento no formato de uma Bíblia aberta, palco das grandes celebrações.

[e-s001]Além disso, quem passou por São José de Ribamar pôde conhecer o monumento ao santo, com 32,5 metros de altura, e o Museu dos Ex-Votos, onde estão guardados os objetos e oferendas. E também a Gruta de Lourdes e o Poço da Saúde, uma fonte hidromineral que, segundo a crença popular, contém propriedades curativas. “São José de Ribamar é o padroeiro do Maranhão. É um santo de muita força e vejo que as pessoas aqui acreditam piamente nele. É muito bonito”, elogiou a paulista Maria da Graça Hernandes.

SAIBA MAIS

Segundo a lenda, um navio vinha de Lisboa para São Luís, saiu da rota e estava ameaçado por uma tempestade. Os tripulantes pediram a proteção de São José e o mar se acalmou na hora. Em homenagem ao santo, eles construíram uma capela no local que era ocupado por indígenas à época.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.