Oton Lima | COLUNA SOCIAL

RESITÊNCIA DO SOM ELETRÔNICO

01/09/2018

Contrariando prognósticos que dão por prestes a extinção as baladas autenticamente de música eletrônica, a cena de São Luís, ainda que aos trancos e barrancos, se mostra persistente - sobretudo, através da nova geração.
Prova do que a coluna afirma está na audiência presente à apresentação da dupla Chemical Surf no Music Hall, na Lagoa, no último dia 24. As fotos ao lado dão uma amostra de quem ferveu na pista da mais recente empreitada da Piquet Produções.
Por falar nela, a produtora de Nelson Piquet é nossa "pièce de résistance" quando se trata de música eletrônica. São dela, aliás, as festas mais audaciosas do gênero por estas bandas.
A propósito, já estão engatilhadas as vindas do DJ Leandro Rocksted no próximo dia 07, para mais uma edição do projeto "Kanaloa Sunset", e do projeto Dubdogz, formado pelos gêmeos Marcos e Lucas Schmidt, que faz sua estreia nas pistas ludovicenses no dia 22/09, no Music Hall.
A Piquet Produções também está às voltas com uma programação de pré-réveillon em Atins, em co-produção com a 2nd Floor (leia-se Ericka Braga), entre os dias 28 e 30 de dezembro.
Os produtores locais, aliás, seguem o encalço da produtora Mareh Music - responsável por colocar destinos paradisíacos como Boipeba (BA), São Miguel dos Milagres (AL), Barra Grande (PI) no circuito dos réveillons mais fervidos -, que este ano escolheu Atins como cenário da virada.
Falando em Ano Novo, em São Luís está prevista uma festa da virada com eletrônico de primeira: DJ Mau mau é a atração do Réveillon dos Deuses. A produção é da El Baile (leia-se André "Schin" Costa) em parceria com o movimento cultural "Aconselho" (com o DJ Lucas Neiva a frente).
Antes, contudo, outros eventos feéricos estão a caminho... No próximo dia 21, por exemplo, Halan Freitas promove a Paradise - Sky, no rooftop do Marcus Barbosa - Intelligent Office, Calhau. Os DJs cariocas Alan Pinheiro e Samara Ferreira (do projeto Sam Ferry) estão no comando das atrações.
Dizer que a cena eletrônica estaria com os dias contados é, no mínimo, não condizente com o fôlego que o movimento vem ganhando na Ilha - não é a toa que a chamam de “rebelde”, né?! No mais, haja fôlego pra tanto fervo...

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte