Geral | Paralisação de Caminhoneiros

Abimaq: exportação foi segmento que mais sofreu com greve

Segundo o economista da Abimaq, as vendas externas, que vinham ao redor de US$ 800 mi ao mês até abril, caíram para US$ 500 mi em maio
Estadão Conteúdo26/06/2018 às 15h31
Abimaq: exportação foi segmento que mais sofreu com greveA expectativa, de acordo com o economista, é de que a forte queda seja parcialmente compensada pela recuperação nos embarques no mês de junho. (Reprodução)

BRASÍLIA - Em máquinas e equipamentos, as exportações representam o segmento que mais sofreu com a greve dos caminhoneiros em maio, segundo a Abimaq, entidade que reúne as empresas do setor. Segundo o economista da Abimaq Maurício Medeiros, as vendas externas, que vinham ao redor de US$ 800 milhões ao mês até abril, caíram para US$ 500 milhões em maio.

A expectativa, de acordo com o economista, é de que a forte queda seja parcialmente compensada pela recuperação nos embarques no mês de junho.

Para o presidente da Abimaq, João Carlos Marchesan, a alta do dólar vai favorecer as exportações do setor, o que vai, por consequência, despertar a demanda interna. "O dólar ao redor de R$ 3,80 é a taxa que nós sempre quisemos", disse, acrescentando que algo como 49% do faturamento do setor deriva das exportações

Ainda de acordo com Marchesan, o atual patamar do dólar beneficia também o setor agropecuário que comprou adubos, fertilizantes e defensivos antes do início da disparada do dólar "Foi feito um hedge natural no setor agropecuário", disse.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte