Edição Digital

Geral | Em São Luís

Samir Ewerton diz que entrará na Justiça contra acusações de assédio

Radialista foi acusado de ter assediado sexualmente colegas de trabalho em troca de benefícios profissionais.
O Estado08/02/2018 às 14h35
Samir Ewerton disse que vai procurar a Justiça

Após se ver no centro de uma polêmica de assédio sexual, o radialista Samir Ewerton posicionou-se diante das acusações de dezenas de mulheres na manhã desta quinta-feira (8). Procurado pela reportagem, o radialista afirmou que entrará na Justiça contra tais acusações.

"O caso já está no âmbito da Polícia e Justiça, irei me defender lá", disse à reportagem.

A ocasião que teria gerado toda essa situação foi uma suposta seleção de profissionais para a TV Metropolitana. Samir seria um dos responsáveis por essa seleção. Entretanto, a direção da emissora comunicou, oficialmente, que não está a procura de novos profissionais e que esta informação tem sido usada de por pessoas má intencionadas.

Sobre esse assunto, Samir usou o Facebook para emitir uma nota de esclarecimento. "Eu, Samir Pereiro Ewerton, vem [sic] a público refutar as acusações que estaria assediando colegas de profissão com promessas de emprego e até mandando 'nudes'", publicou. "Quem está me acusando terá que provar na Justiça que fui eu quem mandei ou fiz tais assédios", reforçou.

"Hoje trabalhei normalmente", disse Samir à reportagem, ao ser questionado, no início da tarde desta quinta, sobre algum problema interno na rádio Rádio Universidade FM consequente dessa repercussão.

Samir Ewerton se pronuncia após acusações.

Denúncias

Uma das denúncias, feita publicamente via Facebook, explica como tudo teria começado. "Samir Ewerton está dizendo por aí que ele está recrutando, junto a Henrique Paz, pessoas para trabalharem na Metropolitana, usando, assim, o nome da TV e do Henrique (que já foi meu chefe) para conseguir sexo fácil. Hoje contatei Henrique para pedir providências e ele me garantiu que não tem relações com Samir de qualquer natureza, e que só havia deixado ele recolher currículos porque Samir tem um grupo de comunicação conhecido no whatsapp", escreveu uma jovem. Leia a publicação completa aqui.

A jornalista Lohanna Pausini também relatou os supostos assédios em seu blog. "Embora eu tentasse levar o assunto para o âmbito profissional no que concerne o processo seletivo de jornalistas anunciado para a TV Metropolitana, Samir insistia na conversa de teor sexual, fazendo as mais absurdas perguntas até que deixou bem claro que a vaga poderia ser minha se eu me submetesse às suas fantasias sexuais em ser sodomizado por uma transex", escreveu.

Após as denúncias nas redes sociais, outras mulheres também relataram que também passaram por situações parecidas com Samir.

Entenda

A manhã desta quinta-feira (8), nas redes sociais, foi tomada pela repercussão do caso do locutor da Rádio Universidade FM, Samir Ewerton, que está sendo denunciado por dezenas de mulheres, via internet, de assédio sexual. Tais relatos dão conta de que o radialista insistia em ter conversas íntimas com as vítimas, muitas vezes, em troca de benefícios profissionais.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.