Cidades | Sem coletivos

Rodoviários anunciam greve; ônibus não sairão das garagens na 2ª-feira

Em negociação salarial, categoria não aceitou proposta feita pelos empresários do setor de transporte, de 2,5% de reajuste nos vencimentos, além de fixação do tíquete-alimentação em R$ 650,00
30/05/2017 às 09h50
Rodoviários anunciam greve; ônibus não sairão das garagens na 2ª-feiraRodoviários participam de assembleia que decidiu pela greve a partir de 2ª-feira (Flora Dolores / O ESTADO)

SÃO LUÍS - População ludovicense não terá à disposição ônibus na próxima segunda-feira, 5. A decisão dos rodoviários foi tomada ontem e será mantida, caso não haja – nos próximos dias – nenhum avanço nas negociações entre empresários do setor de transporte e os trabalhadores. Até o fechamento desta edição, a direção do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo (SET) não havia se pronunciado sobre o assunto.

Em assembleias realizadas na manhã e tarde de ontem, os motoristas e cobradores de ônibus decidiram pela paralisação, após recusarem a proposta – feita pelos empresários do setor de transporte – de aumento de 2,5% nos salários. De acordo com os rodoviários, o percentual proposto é inferior ao índice de inflação do período (que está nos 4,67%). A categoria pede um aumento de 13% nos vencimentos, além de fixação do tíquete-alimentação em R$ 650,00.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Maranhão (Sttrema), Isaias Castelo Branco, disse que a greve é o único instrumento possível, no momento, para que os trabalhadores externem suas insatisfações com a classe empresarial. “Como não há outro instrumento que atenda aos interesses dos trabalhadores, não há outra forma, neste momento, de se reivindicar a pauta que consideramos justa a todos, senão pelo movimento de greve”, disse.

Durante a assembleia, a proposta de realização de Operação Tartaruga (instrumento usado pelos trabalhadores para protesto em que os veículos saem das garagens, no entanto, com velocidade reduzida) foi recusada. Para a direção do Sttrema, apenas a greve atrairia a atenção dos empresários. “Apesar de reconhecer que a Operação Tartaruga, em outros períodos, se mostrou uma ferramenta eficaz, neste momento, a direção do sindicato se manifesta totalmente favorável apenas à greve”, afirmou Castelo Branco.

Após a aprovação da greve, a partir de hoje haverá a notificação oficial do movimento às empresas do transporte coletivo. Segundo o Sttrema, somente uma nova negociação entre rodoviários e empresários impediria a greve na próxima segunda-feira. “Tudo depende dos empresários. Ou seja, se houver um novo acordo e a categoria, de forma soberana, entender que essa proposta é boa para a classe, a greve será suspensa. Caso contrário, nenhum ônibus sairá das garagens”, disse.

Relembre
Em fevereiro do ano passado, período escolhido para a discussão da data-base dos salários dos trabalhadores, os rodoviários voltaram a cruzar os braços. À época, a paralisação causou uma série de transtornos à população. Os motoristas e cobradores somente voltaram a trabalhar após receber um adiantamento de 40% nos salários.

Há duas semanas, uma audiência de conciliação entre rodoviários e empresários discutiu o reajuste salarial. O encontro aconteceu na sede do Ministério Público do Trabalho (MPT), no Calhau. Apesar da tentativa de mediação, não houve acordo.

Números
700 mil
usuários dependem do transporte coletivo em São Luís
1.100 é a quantidade de coletivos atualmente na cidade

Fonte: Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo (SET)

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte