Irregularidades

Militantes realizaram boca de urna em seções

Mesmo proíbida pela Justiça Eleitoral, registrou-se a velha prática de distribuição de santinhos e de militantes pedindo voto para seus candidatos; também houve o descumprimento da lei seca

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h45

Apesar de as eleições nas cidades que compõem a Ilha de São Luís terem transcorrido de forma relativamente calma durante todo o dia de ontem, inclusive com seções sem grandes filas, algumas irregularidades, já conhecidas dessa época, foram registradas em vários locais de votação, tais como boca de urna, sujeira espalhada pelos candidatos e até mesmo aglomerações de militantes de partidos próximo à seções eleitorais.
As quatro cidades da Região Metropolitana - São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa - amanheceram inundadas com milhares de santinhos de candidatos jogados nas ruasna noite anterior. A aglomeração maior era perto dos locais de votação, em alguns pontos o chão estava completamente coberto e quando o vento batia levantava os papéis que eram espalhados ainda mais. Também era comum, nas avenidas e ruas, pessoas jogando os santinhos, às centenas, pelas janelas dos carros, aumentando a sujeira.
E quanto mais distante do centro da capital Maranhense, mais era possível se ver algumas irregularidades. Na Raposa, por exemplo, a 30km de São Luís, os correligionários dos partidos e candidatos se aglomeraram na porta das três principais escolas da cidade, que ficam uma ao lado da outra: Unidade Escolar Marcone Caldas, U.E Manoel Batista e Unidade Integrada Sarney Filho.
Eles vestiam camisas da mesma cor, no caso vermelha ou verde, dependendo das cores dos partidos dos candidatos, e colavam diversos adesivos na roupa. Na porta dos colégios, eles coagiam eleitores e apoiadores dos rivais, em uma verdadeira prática de guerrilha, com gritos e ameaças. Até mesmo uma mesa foi montada em frente a uma escola, onde adesivos de um candidato eram distribuídos.
A polícia também apreendeu vários veículos, adesivados com nomes e números de candidatos, fazendo o transporte irregular de passageiros para os locais de votação.

Lei Seca descumprida
Desde às 18h de sábado, 1º, estava proibido a venda e a compra de bebidas alcóolicas em comércios de todo o Maranhão. A portaria da chamada “lei seca” foi baixada pelo secretário de segurança pública, Jefferson Portela, e valia até às 00h de hoje.
Mas, apesar da restrição, algumas pessoas descumpriram a lei. Nas praias e em alguns bares espalhados pela região metropolitana, os eleitores consumiam abertamente, ou de forma velada, cervejas e outros itens proibidos.
Na Avenida Litorânea, por exemplo, em pelo menos dois bares, O Estado flagrou eleitores consumindo cerveja. Nos dois locais, nenhum dono ou gerente foi localizado para falar sobre o assunto. Já os consumidores afirmaram que sabiam da restrição, no entanto, como não havia proibição no estabelecimento, consumiam bebida alcoólica. Eles não quiseram ser identificados.
Enquanto alguns estabelecimentos descumpriam a medida, outros seguiam “à risca” a restrição. Em alguns bares do Bequimão e da Avenida Litorânea, somente eram comercializados produtos como água mineral, água de coco, refrigerante e suco.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.