Edição Digital

Cidades | Polêmica

Presidente do sindicato de taxistas se manifesta sobre Uber em SL

Ao ser questionado se há possibilidade de convivência harmônica entre táxis e o novo serviço, Raimundo Medeiros resume: "A classe odeia o Uber"
OESTADOMA.COM17/09/2016 às 14h51
Presidente do sindicato de taxistas se manifesta sobre Uber em SLPara taxistas, Uber é uma ameaça (Thamirys D'Eça / OEstadoMA.com)

SÃO LUÍS - Em entrevista ao OEstadoMA.com, o presidente do Sindicato dos Taxistas de São Luís, Raimundo Medeiros, comentou o polêmico projeto de lei que proíbe o serviço Uber - plataforma que conecta motoristas e passageiros por meio do smartphone. A Câmara Municipal ainda vai decidir se promulga o texto, mas enquanto isso, o assunto tem sido um dos mais comentados na capital maranhense nos últimos dias.

O representante da entidade afirmou que o projeto de lei de autoria da vereadora Luciana Mendes (PP), que é candidata à reeleição, foi um pedido dos próprios taxistas. No mês de julho, o texto que barra o Uber na capital foi aprovado por unanimidade pelos parlamentares presentes na sessão. Em seguida, ele foi encaminhado ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) para sanção, o que não ocorreu. Sem apreciação do gestor, a parlamentar solicitou ao presidente da Casa, Astro de Ogum (PR), que ele sancione o projeto.

LEIA TAMBÉM

Uber em São Luís: Prefeitura, aplicativo e população se manifestam

Internautas se mobilizam para pedir Uber em São Luís

Consumidores querem barrar na Justiça projeto de lei que proíbe Uber em São Luís

De acordo com Raimundo Medeiros, a categoria considera o aplicativo uma ameaça ao serviço de táxi e, por isso, aguarda que o projeto de lei seja sancionado na Câmara Municipal. "O Uber não paga nada para Prefeitura, Detran (Departamento de Trânsito do Maranhão), Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Um taxista tem de pagar R$ 270,00 de aferição e troca de tarifa, R$ 97,00 de imposto sindical, R$ 85,00 para o Detran, além da renovação anual na Smtt (Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes) e mais mensalidade do sindicato, mais ponto de táxi, que uns pagam uns R$ 50, que é para pagar água, luz, telefone, entre outras coisas", diz.

Ao ser questionado se há a possibilidade de convivência harmônica entre táxis e Uber na capital, o presidente do sindicato resumiu: "A classe odeia o Uber". Para ele, "ficou difícil trabalhar em São Luís. A renda caiu muito e se o Uber entrar, fica difícil para sobreviver". Ele lembra que a categoria já concorre com o táxi lotação (popularmente chamado de "carrinho") e o táxi pirata.

Quem defende a presença do Uber em São Luís diz que seria uma maneira de desafogar o transporte público. Além disso, criticam o serviço de táxi na capital por causa do preço, do sucateamento dos veículos e do tratamento dos taxistas com os clientes. Ele, porém, discorda. "Já houve uma melhora tratamento. Melhorou e já não tenho reclamação de passageiros", considera.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.