Geral | Ocupação

MST Mulheres ocupa Estrada de Ferro Carajás e interrompe operações no MA

De acordo com os organizadores, o ato é em defesa da natureza, da alimentação saudável e contra o agronegócio
O Estado online07/03/2016 às 11h11
MST Mulheres ocupa Estrada de Ferro Carajás e interrompe operações no MAA companhia Vale, que opera a ferrovia, estima que cerca de três mil pessoas que utilizam o Trem de Passageiros serão prejudicadas por causa da manifestação. (MST Mulheres)

Manifestantes do MST Mulheres ocupam desde o início da manhã de hoje a linha do trem da Estrada de Ferro Carajás (EFC), no Km 184 da ferrovia, próximo ao município de Igarapé do Meio (MA), interrompendo as operações de passageiros e carga. De acordo com os organizadores, o ato é em defesa da natureza, da alimentação saudável e contra o agronegócio. A manifestação faz parte da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres, que, neste ano, tem como um dos temas o massacre de Carajás - que completa 20 anos em 2016.

A companhia Vale, que opera a ferrovia, estima que cerca de três mil pessoas que utilizam o Trem de Passageiros serão prejudicadas por causa da manifestação. Passagens marcadas para hoje e amanhã (8) precisarão ser remarcadas. A Vale também acredita que a interdição compromete o transporte de combustível para municípios da região do sudeste do Pará, sul do Maranhão e centro-norte do Tocantins.

Por meio de nota, a Vale afirmou que “não concorda com esse tipo de manifestação, pois impede o direito de ir e vir da comunidade”, e esclarece que os passageiros que já haviam comprado seus bilhetes podem ir às estações e pontos de vendas para realizar a remarcação a partir de quarta-feira (9) ou solicitar reembolso a partir da sexta-feira (11). Outras informações podem ser obtidas pelo telefone 0800-285-7000 (chamada gratuita).

Veja, abaixo, a nota na íntegra.

A Vale informa que as operações de carga e passageiros da Estrada de Ferro Carajás (EFC) estão paralisadas desde o início da manhã no Km 184, próximo ao município de Igarapé do Meio (MA). A paralisação é decorrente de uma manifestação promovida pelo MST Mulheres, cujos integrantes estão sobre a linha do trem.

Em decorrência disso, o Trem de Passageiros não circulará nesta segunda e terça-feira, dias 7 e 8/3. Com isso, cerca de três mil pessoas que utilizam o serviço deixarão de viajar. A Vale reforça que não concorda com esse tipo de manifestação pois impede o direito de ir e vir da comunidade. A interdição também comprometerá o transporte de combustível para municípios da região do sudeste do Pará, sul do Maranhão e centro e norte do Tocantins.

Os passageiros que já haviam comprado seus bilhetes podem ir às estações e pontos de vendas para realizar remarcação à partir de quarta-feira, 9/3, ou solicitar reembolso a partir de sexta-feira, 11/3. Os usuários do Trem de Passageiros que desejarem obter mais informações, os contatos podem ser feitos por meio do Alô Ferrovias (0800 285 7000).

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte