Descaso

À espera de reforma, Largo do Carmo está abandonado

Logradouro localizado no centro de São Luís é um dos principais pontos turísticos da cidade, no entanto, infraestrutura é precária; espaço está na lista do Iphan de obras de revitalização do PAC Cidades Históricas

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h53

[e-s001]Localizado em uma das regiões mais movimentadas do Centro, em São Luís, o Largo do Carmo é hoje o retrato do abandono. Estruturas quebradas e ocupação desordenada do espaço são alguns dos problemas que podem ser encontrados no local. O logradouro deveria ser revitalizado por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Cidades Históricas, mas ainda não há previ­são para que obra seja iniciada.

Com a Igreja do Carmo ao fun­do, o Largo do Carmo foi o local onde funcionou a primeira feira da cidade e existiu o pelourinho, no qual os negros eram punidos no período da escravidão. Hoje, a realidade é outra. O espaço está localizado em meio ao comércio e repartições públicas do Centro e no coração do Centro Histórico de São Luís. No entanto, não tem recebido a devida atenção dos gestores públicos.

Bastam poucos minutos na travessia entre a Rua Grande e a Praça João Lisboa para perceber a situação precária do largo. Luminárias foram alvos de vândalos. Canteiros estão sem manutenção, com cercas quebradas e plantas malcuidadas, bancos de madeira quebrados e lixo acumulado nas bases das lixei­ras, o que traz um aspecto de aban­dono.

As pedras do piso estão se desprendendo em vários pontos, formando buracos, e todas as caixas de escoamento de água estão sem tampa, o que representa um risco para os transeuntes mais desatentos à situação. A falta de manutenção também pode ser percebida no relógio, localizado em frente à Igreja do Carmo, que está parado há muitos anos. “Está bem bagunçado pa­ra um patrimônio. Era para ser bem organizado”, disse a vendedora Fátima Silva Santos.

A estudante Jéssica Cristina Lo­pes e os colegas do Centro de Ensino Pio XII (Vila Palmeira) foram até o local ontem para fazer uma pesquisa sobre pontos turísticos de São Luís. Ela e os demais ficaram impressionados com o péssimo estado de conservação do espaço. “Toda a estrutura está precária. Os bancos estão quebrados. O piso, também. A igreja também está precisando de reforma.Vamos citar todos esses problemas em nosso trabalho”, disse.

[e-s001]Ocupação
Além dos problemas de infraestrutura, há ainda a questão da ocupação do espaço público. Geralmente, moradores de rua estão presentes no local e deixam roupas estendidas sobre as plantas e bancos da praça.

Bancas de revista que ficavam localizadas do outro lado da rua foram removidas de lá e colocadas no Largo do Carmo. Apenas quatro que funcionavam regularmente na área, alvo de reforma, foram realocadas para trás do abri­go do Largo do Carmo até o térmi­no da obra. Hoje, algumas bancas de vendedores ambulantes também estão instaladas nesse espaço.

A obra de que se trata é a reforma e requalificação urbanística do Largo do Carmo e Praça João Lisboa, por meio do PAC Cidades Históricas, em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O serviço visa à requalificação urbanística de todo o es­­paço, com colocação de novo piso, reforma do abrigo e instalação de no­vos equipamentos urbanos, como bancos, lixeiras e iluminação.

O projeto de reforma do Largo do Carmo e da Praça João Lisboa faz parte dos investimentos previstos para obras em São Luís da or­dem de R$ 133 milhões, que contem­plam 45 espaços históricos da cidade. Mas no local nenhuma intervenção foi feita até agora.

[e-s001]Procurado por O Estado, o Iphan informou em nota que realizou Concorrência Pública em 2014 para a contratação dos projetos de intervenção no Conjunto da Praça João Lisboa, formado pelo logradouro que compreende também o chamado "Largo do Carmo", em frente à Igreja de Nossa Senhora do Carmo.

A licitação foi vencida pelo Escritório Grillo & Werneck Consultoria e Projetos e os serviços foram iniciados e o projeto foi amplamente discutido com a Prefeitura de São Luís, especialmente quanto às questões viárias e de requalificação do abrigo existente no Largo do Carmo.

Além disso, houve dificuldade com a mão de obra do escritório contratado para a realização do levantamento topográfico de toda a área de projeto, foram solicitadas correções para prosseguimento do projeto, que está em fase de elaboração e a previsão de contratação da obra é para o primeiro semestre de 2016, com duração de aproximadamente um ano.

Curiosidade
É na Igreja do Carmo que está situado o Museu da Província Capuchinha Nossa Senhora do Carmo. Seu acervo conta com peças datadas do ano 1894.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.