Justiça

IML e Icrim são interditados devido a problemas estruturais

A Justiça determinou a interdição após ação do MP-MA.

Imirante, com informações do MP-MA

- Atualizada em 30/04/2022 às 08h48
IML/Icim de Timon são interditados.
IML/Icim de Timon são interditados. (Timon)

TIMON - Uma Ação Civil Pública proposta pela 5ª Promotoria de Justiça Criminal de Timon, deste mês de abril, levou a Justiça a determinar a imediata interdição do Instituto de Criminalística (Icrim) e do Instituto Médico Legal (IML) de Timon, por causa dos graves problemas estruturais dos prédios.

O Estado do Maranhão teve um prazo para comprovar, nos autos, a transferência das atividades para outro prédio em que seja possível a manutenção dos serviços até que as atuais sedes sejam reformadas ou seja construído um novo imóvel para abrigar o Icrim e o IML.

A grave situação dos prédios é um problema antigo, tendo sido realizadas várias tentativas de resolução extrajudicial, segundo o Ministério Público do Maranhão (MP-MA). Vistorias realizadas desde 2017 apontam a existência de problemas como infiltrações e rachaduras, falta de espaços adequados para serviços, necessidade de reparos em instalações sanitárias e falta de equipamentos, entre outros.

Degradação

Em 10 de novembro de 2021, o MP-MA foi informado que a reforma do IML/Icim de Timon seriam iniciadas no prazo máximo de 20 dias, o que não ocorreu. A situação, na verdade, se agravou. Em 30 de março de 2022 a 5ª Direção de Perícia Oficial – Região Central/Timon/MA informou a piora da situação no atual período chuvoso, com perdas de equipamentos e documentos sensíveis, essenciais para a prestação dos serviços públicos.

“A tendência observada a cerca da estrutura predial dos Institutos, durante o período monitorado por este órgão ministerial, é a piora exacerbada, colocando claramente em risco a vida dos servidores e usuários atendidos pelos serviços prestados”, observou, na Ação Civil Pública, o promotor de Justiça Antonio Coêlho Soares Júnior.

O membro do Ministério Público ressalta que os órgãos atendem a toda a região leste do Maranhão, desenvolvendo um serviço essencial para mais de 50 municípios, com impactos diretos na segurança pública e no sistema judiciário do estado.

Na decisão, o juiz Weliton Sousa Carvalho, da Vara da Fazenda Pública de Timon, determinou multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento da decisão.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.