Educação

Sindicato encaminha a Eduardo Braide proposta de reposição de aulas de professores grevistas

Reposição de aulas referente aos dias de greve faz parte do acordo assinado junto ao Ministério Público e que resultou na suspensão da greve.

Ronaldo Rocha / Ipolítica

- Atualizada em 14/05/2022 às 13h21
Professores suspenderam greve na semana passada após acordo junto ao MP
Professores suspenderam greve na semana passada após acordo junto ao MP (Reprodução / Rede Social)

SÃO LUÍS - O Sindicato dos Profissionais de Magistério da Rede Pública de São Luís (SindEducação), encaminhou ao prefeito Eduardo Braide (sem partido) o plano de reposição da carga horária referente aos 14 dias efetivos de greve dos professores do município.

A entrega do plano faz parte do acordo assinado entre a categoria, o Poder Executivo e o Ministério Público que resultou na suspensão do movimento paredista na capital.

De acordo com o documento entregue ao prefeito, o calendário letivo do município deve se estender de 9 a 26 de janeiro de 2023 para suprir os dias não contabilizados de aula em decorrência da greve dos professores.

“Uma das responsabilidades assumidas pelas professoras e professores na greve é a compensação dos dias não trabalhados apresentado num plano de reposição da carga horária, a partir do comprometimento da Prefeitura de São Luís de não registrar as faltas e não realizar o corte do ponto. Neste sentido, como ficou acordado, o Sindeducação enviou à Secretaria Municipal de Educação (Semed) documento com proposta de calendário de reposição da carga horária referente aos 14 dias letivos, não cumprida durante o movimento paredista, tendo em vista que o Conselho Nacional de Educação (CNE), ainda orienta o cumprimento, no contexto de pós-pandemia, da carga horária de 800h/anual”, destaca nota do SindEducação.

Leia também: Braide consegue a aprovação de PLs na Câmara

“A proposta do Sindeducação indica que a reposição deve ser realizada com interação professor/estudante na modalidade presencial, incorporando os 14 dias do movimento paredista ao final do ano letivo, com extensão do calendário no período de 9 a 26 de janeiro de 2023, para o cumprimento do déficit da carga horária de cada professor, respeitando a autonomia, organização e o planejamento de cada unidade escolar”, complementa o comunicado.

Na próxima semana a Secretaria Municipal de Educação deve encaminhar um parecer sobre a proposta de extensão do calendário letivo apresentada pelos professores.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter e Instagram e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.