Sem ônibus

Paralisação total de ônibus continua na Grande São Luís, mas audiência nesta tarde pode encerrar greve

O movimento grevista dos rodoviários completa 44 dias hoje, e neste período já houve várias reuniões sem acordo.

Imirante.com

- Atualizada em 30/03/2022 às 07h59

 

Ônibus continuam retidos nas garagens. Foto: Douglas Pinto/TV Mirante.
Ônibus continuam retidos nas garagens. Foto: Douglas Pinto/TV Mirante.

 

SÃO LUÍS – Mais uma vez a capital amanheceu sem ônibus nas ruas, mas existe a expectativa do fim da paralisação de rodoviários já que há uma audiência de mediação prevista para a tarde desta quarta-feira (30).

Os usuários de ônibus que precisam ir ao trabalho ou a outros compromissos muitas vezes recorrem ao transporte alternativo, como vans, mototáxi, táxis lotação ou carros de aplicativos. Essas opções acabam saindo caras em razão também do preço da gasolina.

 

Passageiros procuram alternativas em dias de greve de rodoviários. Douglas Pinto/TV Mirante.
Passageiros procuram alternativas em dias de greve de rodoviários. Douglas Pinto/TV Mirante.

 

Mototáxi é uma das opções para se deslocar durante a greve dos rodoviários. Douglas Pinto/TV Mirante.
Mototáxi é uma das opções para se deslocar durante a greve dos rodoviários. Douglas Pinto/TV Mirante.

 

Em nota, o Sindicato dos Rodoviários do Maranhão informou ontem (29) que, a pedido da Prefeitura de São Luís, a entidade e o sindicato patronal (SET) foram convocados para nova audiência que será realizada nesta quarta, às 15 horas, na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MA).

Leia mais:

TRT-MA realizará audiência de mediação entre rodoviários e empresários nesta quarta

TRT-MA determina manutenção de 60% da frota de ônibus durante greve de rodoviários

Incompetência ou conivência do poder público na greve no transporte público

Ônibus não circulam na Grande São Luís nesta terça-feira, e greve se arrasta há 43 dias

O Sindicato dos Rodoviários do Maranhão confirmou que estará presente nesta audiência e espera que os encaminhamentos tomados nela resultem no atendimento as reivindicações dos trabalhadores, pondo fim ao movimento grevista. 

A entidade disse também que “não tem interesse algum em causar transtornos a população, mas apelar para a greve foi a única alternativa que restou, para que o rodoviários tivessem os seus direitos respeitados e garantidos pelos empresários”, termina a nota.

Determinação de 60% da frota nas ruas

A desembargadora Márcia Andrea Farias da Silva, do Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região (Maranhão) determinou, na segunda-feira (28), em ação ajuizada pelo município de São Luís, a execução da multa previamente estabelecida, no valor de R$ 50 mil por dia, em conta bancária do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário no Estado do Maranhão e do Sindicato  das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís, até que  seja garantida à população a circulação do percentual de 60% da frota de ônibus na grande São Luís (capital, Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar) durante a greve dos rodoviários. 

A determinação diz ainda que a categoria não pode realizar operação tartaruga, catraca livre, piquetes, entre outras. Na manhã de ontem (29), a desembargadora oficiou o Ministério Público Federal para que sejam adotadas as providências cabíveis, para fins de responsabilização penal dos descumpridores da ordem judicial.

Tarifa mais cara

Passou a valer no dia 27 de fevereiro de 2022 o novo preço das passagens dos ônibus do transporte coletivo urbano da capital maranhense. O aumento foi de R$ 0,20. A tarifa das linhas não integradas (aquelas que não entram nos terminais) custa R$ 3,40, e as integradas estão em R$ 3,90.

Greve

Os rodoviários de São Luís deflagraram uma greve geral do transporte público da Grande Ilha de São Luís nas primeiras horas do dia 16 de fevereiro. Além do reajuste de 12% nos salários, os rodoviários reivindicam um ticket-alimentação de R$ 800, inclusão de um dependente no plano de saúde, regularização dos salários atrasados e emprego assegurado para os cobradores de ônibus.

Antes do início da greve, no dia 14 de fevereiro, o prefeito Eduardo Braide já havia anunciado a prorrogação, por mais dois meses, do auxílio emergencial ao setor do transporte público da capital. O auxílio, a ser repassado nos meses de fevereiro e março, será de R$ 2,5 milhões (auxílio direto) e mais R$ 1,5 milhão, por meio do programa “Cartão Cidadão”. 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.