Tratamento de saúde

Município tem recursos bloqueados para tratamento de paciente com paralisia cerebral

Foram bloqueados R$ 2.838,80, a serem repassados para a representante da paciente.

Divulgação/MP-MA

- Atualizada em 27/03/2022 às 11h51

PENALVA- O Ministério Público do Maranhão obteve na Justiça o bloqueio de valores da conta do município de Penalva para a garantia do fornecimento de alimentação enteral, bem como dos insumos necessários para a sobrevivência de uma menor de 18 anos portadora de paralisia cerebral.

De acordo com a decisão judicial, foram bloqueados R$ 2.838,80, a serem repassados para a representante da menor de 18 anos, e de mais R$ 20 mil, a título de multa, em razão de o município ter descumprido decisão anterior sobre o caso.

A pedido da promotora de Justiça Cristiane dos Santos Donatini, a Justiça determinou, ainda, que o Hospital Municipal de Penalva designe médico habilitado para realizar perícia e emitir posterior laudo, a respeito da situação da paciente. No laudo, deve constar, entre outras informações, a doença sofrida pela paciente; a quantidade mensal necessária e suficiente à sua alimentação enteral; a descrição dos insumos mensais necessários a serem ministrados à paciente e um prognóstico de evolução dessas quantidades em razão de seu crescimento.

A juíza Elaile Silva Carvalho, titular da comarca de Penalva, deferiu, também, requerimento do Ministério Público para que o Centro de Referência Especializada de Assistência Social (Creas) realize estudo social da condição familiar, econômica e estrutural da menor.

Histórico do caso

O Ministério Público ajuizou Ação Civil Pública para exigir o fornecimento da alimentação enteral e dos insumos à paciente. Em 26 de junho passado, a Justiça deferiu o pedido em liminar. No entanto, a Prefeitura descumpriu a decisão judicial.

Em nova manifestação ministerial, foi solicitado o bloqueio dos recursos do município de Penalva. No último dia 15 de agosto, a Justiça deferiu o pedido.

A promotora Cristiane Donatini informou que, em 20 de agosto, ajuizou Ação de Improbidade Administrativa contra o prefeito de Penalva, Edmilson Viegas Reis, em decorrência do descumprimento da ordem judicial.

Caso seja condenado, o prefeito poderá ser punido com as penas previstas na Lei nº 8.429/92, especialmente com o ressarcimento integral do dano a ser apurado; perda da função pública; suspensão dos direitos políticos por cinco anos; pagamento de multa civil de cem vezes o valor da remuneração percebida pelo requerido; proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

O município de Penalva fica localizado a 254 km de São Luís.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.