Agrotóxicos vencidos

AGED interdita mais de 5.700 litros de agrotóxicos em propriedade rurais no Maranhão

Os fiscais estaduais agropecuários da AGED fiscalizaram propriedades de gado de corte, de produção de hortaliças e de produtoras de eucalipto e de grãos.

Divulgação/Aged-MA

- Atualizada em 27/03/2022 às 11h02
Na ação de sexta-feira (18), a AGED fiscalizou o recolhimento de 5.757 litros de agrotóxicos vencidos feito por transportadora autorizada pelas fabricantes dos produtos.
Na ação de sexta-feira (18), a AGED fiscalizou o recolhimento de 5.757 litros de agrotóxicos vencidos feito por transportadora autorizada pelas fabricantes dos produtos. (Foto: Divulgação/Aged-MA)

MARANHÃO - A Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED/MA) fiscalizou entre os dias 15 e 18 deste mês, 13 propriedades rurais nos municípios de Cidelândia, São Francisco do Brejão e Itinga e interditaram mais de 5.700 litros de agrotóxicos. As interdições ocorreram nas cidades de Cidelândia e Itinga.

Os fiscais estaduais agropecuários da AGED fiscalizaram propriedades de gado de corte, de produção de hortaliças e de produtoras de eucalipto e de grãos. Na propriedade de eucalipto interditou-se 5.580 litros de herbicidas. Já em Itinga, em uma propriedade de gado de corte, os fiscais interditaram 63 litros de herbicidas e em uma de produção de grãos, interditou-se 145 litros de inseticidas.

Na ação de sexta-feira (18), a AGED fiscalizou o recolhimento de 5.757 litros de agrotóxicos vencidos feito por transportadora autorizada pelas fabricantes dos produtos. Participaram das fiscalizações Josué Mendes Neto, fiscal estadual agropecuário, e Antônio Lopes, armazenista Emarph.

Agrotóxicos vencidos e sem cadastro são alvos de interdição pela AGED. Quando um agrotóxico vencido é identificado, o produto é interditado e seu fabricante é notificado para que realize o recolhimento.

Os fiscais da AGED realizaram ainda todo o trabalho de orientação aos produtores quanto ao uso correto e seguro dos agrotóxicos, bem como do armazenamento e devolução das embalagens vazias conforme a legislação vigente. Foi realizada a inspeção das embalagens cheias e vazias dos agrotóxicos encontradas nas propriedades. Observou-se a presença de glifosato nas propriedades e recomendou-se seguir a recomendação de rótulo e bula.

Na oportunidade, os fiscais fizeram levantamento fitossanitário das pragas de pastagens, onde produtores relataram ataques ocasionais de lagartas desfolhadoras e cigarrinhas das pastagens. Ao inspecionar as áreas de grãos, verificou-se muita infestação de capim amargoso na entressafra, mas sem ocorrência de Amaranthus palmeri. Dentre as pragas nas áreas de hortaliças houve relatos de ataque de mosca branca e de tripés. Nas áreas florestais as formigas cortadeiras são os maiores problemas apontados pelos produtores.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.