Crimes virtuais

Grupo suspeito de crimes cibernéticos é alvo de operação da Polícia Federal em Imperatriz

A investigação partiu da informação do FBI sobre brasileiros que haviam roubado cerca de 1,5 milhões de dólares em bitcoins.

Imirante, com informações da Polícia Federal

- Atualizada em 10/08/2022 às 10h16
Nesta quarta, cerca de 40 policiais federais estão dando cumprimento a mandados de prisão e busca e apreensão. Foto: Divulgação/Polícia Federal.
Nesta quarta, cerca de 40 policiais federais estão dando cumprimento a mandados de prisão e busca e apreensão. Foto: Divulgação/Polícia Federal.

IMPERATRIZ - Na manhã desta quarta-feira (10), a Polícia Federal de Imperatriz deflagrou a operação “Bit Tracking” com o objetivo de desarticular um grupo criminoso que pratica crimes cibernéticos. 

A investigação começou após informação encaminhada pelo FBI, via cooperação jurídica internacional, indicando que brasileiros haviam roubado aproximadamente 1,5 milhões de dólares (aproximadamente seis milhões de reais) em bitcoins administrados por uma plataforma de criptoativos situada nos Estados Unidos da América. 

A Polícia Federal aprofundou as investigações, seguindo o rastro dos valores, e identificou as pessoas responsáveis pela conduta criminosa. A investigação demonstrou o caminho dos valores, passando por carteiras digitais, até serem convertidos em reais e creditados em contas correntes de brasileiros residentes na cidade de Imperatriz. 

Nesta quarta, cerca de 40 policiais federais estão dando cumprimento a nove mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva expedidos pela Justiça Federal de Imperatriz, em virtude de representação feita pela Polícia Federal. 

A PF identificou as pessoas responsáveis pela conduta criminosa. Foto: Divulgação/Polícia Federal.
A PF identificou as pessoas responsáveis pela conduta criminosa. Foto: Divulgação/Polícia Federal.

Tais medidas tem por objetivo buscar elemento de prova que indiquem a participação de outros membros do grupo criminoso, bem como recuperar ativos financeiros subtraídos. 

Os envolvidos irão responder pelos crimes de furto qualificado mediante fraude (Art. 155, §4, II, do Código Penal) combinado com o crime de Associação Criminosa (art. 288, Caput, do Código Penal), podendo ser condenados a penas de até 11 anos de reclusão.

“Bit Tracking” significa rastreamento de Bitcoin e faz referência à metodologia utilizada na presente investigação que seguiu o rastro do dinheiro até chegar aos responsáveis pela prática criminosa.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.