Atos antidemocráticos

Moraes arquiva notícia-crime de deputado bolsonarista contra Flávio Dino

Nikolas Ferreira acusou o socialista de “omissão intencional" durante os atos terroristas.

Ipolítica

Decisão é de Alexandre de Moraes
Decisão é de Alexandre de Moraes (Foto: Fábio Rodrigues-Pozzebom /Agência Brasil)

BRASÍLIA - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Alexandre de Moraes, arquivou nesta sexta-feira (13) notícia-crime apresentada pelo deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) contra o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB).

O parlamentar acusou o socialista de “omissão intencional" durante os atos terroristas ocorridos no último domingo (8), em Brasília (DF), e pediu até mesmo sua prisão.

“Não se verifica nos autos indícios mínimos da ocorrência de ilícito criminal, não existindo, portanto, na presente petição, nenhum indício real de fato típico praticado por qualquer requerido (quis) ou qualquer indicação dos meios que o mesmo teria empregado (quibus auxiliis) em relação às condutas objeto de investigação, ou ainda, o malefício que produziu (quid), os motivos que o determinaram (quomodo), o lugar onde a praticou (ubi), o tempo (quando) ou qualquer outra informação relevante que justifique a instauração de inquérito ou de qualquer investigação”, destacou Moraes.

Na denúncia, Ferreira afirmou que “há fortes evidências” de que Dino já tinha conhecimento da real possibilidade da depredação das sedes dos Três Poderes após ser informado pela Abin. Na petição, o parlamentar pediu que o órgão fosse oficiado para confirmar a informação.

“Segundo consta em vários veículos de imprensa, há fortes evidências de que o ministro havia sido informado dos acontecimentos inclusive por parte da agência de inteligência brasileira. Pedi que a ABIN fosse oficiada para confirmar tal fato”, completou.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.