Morte violenta

Maranhense é encontrada sem vida e seminua na capital federal

O corpo da vítima estava em uma área de matagal, em Santa Maria, e havia sinais de violência na cabeça.

Imirante.com

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h32
O corpo da maranhense foi encontrado em uma área de matagal, na capital federal
O corpo da maranhense foi encontrado em uma área de matagal, na capital federal (Divulgação)

DISTRITO FEDERAL- A Polícia Civil do Distrito Federal ainda no período da manhã desta segunda-feira (24) não tinha efetuado a prisão do suspeito de ter assassinado a maranhense Eliuda Velozo, de 35 anos. De acordo com a polícia, o corpo da vítima apresentava sinais de violência na cabeça, estava seminu e foi encontrado no último dia 22 em uma área de matagal, em Santa Maria, na capital federal.

O caso é investigado pela equipe da 33ª Delegacia de Polícia Civil, coordenado pela delegada Cláudia Alcântara. Ela disse que o corpo somente foi identificado após solicitar auxílio adversos para a polícia dos estados vizinhos em razão da vítima não ter registro civil na capital federal.

A delegada disse que já tinha a suspeita que a vítima poderia ser natural do Maranhão, mas, havia a necessidade da realização de uma prova material. “Tínhamos a suspeita de que ela seria maranhense e, ao confrontamos, deu positivo”, frisou Cláudia Alcântara.

Ainda segundo a delegada, os familiares da maranhense disseram que Eliuda teria saído da sua terra natal companhia de um homem, não identificado, para morar no Distrito Federal. No momento, as investigações seguem para identificar e prender o principal suspeito desse crime.

Leia também em:

Duplo feminicídio é registrado em salão de beleza, em Imperatriz

Preso no Maranhão, condenado por feminicídio em Brasília

Caso

A polícia informou que o crime ocorreu no último dia 22. A maranhense foi encontrada seminua e morta em uma área de matagal, em Santa Maria. Havia uma marca de uma pancada na cabeça. Um morador, não identificado, disse para a polícia que chegou a ouvir gritos de socorro e uma mulher pedia para não ser morta, pois, tinha filhos para criar.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.