Em Vargem Grande

Ex-presidente da Câmara de Vereadores é acionado pro irregularidades em licitação

O ex-gestor frustrou procedimentos licitatórios e dispensou indevidamente licitação durante o exercício financeiro de 2010.

Divulgação/MP-MA

- Atualizada em 27/03/2022 às 11h16
Antonio Gomes Lima é ex-presidente da Câmara de Vereadores de Vargem Grande.
Antonio Gomes Lima é ex-presidente da Câmara de Vereadores de Vargem Grande. (Arte: Imirante.com)

VARGEM GRANDE - Por meio de uma Ação Civil Pública, ajuizada no último dia 10, o Ministério Público do Maranhão requer a condenação do ex-presidente da Câmara de Vereadores de Vargem Grande, Antonio Gomes Lima, pela prática de improbidade administrativa, que gerou prejuízos ao erário na ordem de R$ 79.961,52.

Saiba mais sobre ações do Ministério Público no Maranhão.

Para o Ministério Público do Maranhão, o ex-gestor frustrou procedimentos licitatórios e dispensou indevidamente licitação durante o exercício financeiro de 2010, levando o Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA) a julgar irregulares as contas da Câmara Municipal de Vargem Grande referentes ao ano de 2010.

Foram identificadas irregularidades nos processos licitatórios nº 02/2009, para contratação de serviços de reforma do prédio da Câmara, no valor de R$ 34.905,54; e nº 02/2010, para construção de um almoxarifado, com valor de R$ 30.055,98. Em ambos os processos, foram observadas, entre outras, condutas irregulares como ausência de projeto básico e/ou executivo; ausência de documento que comprove o valor disponível e a efetiva reserva da dotação orçamentária por onde ocorrerá a despesa; ausência da minuta do edital; ausência de contrato; ausência dos pareceres jurídicos exigidos pela legislação vigente à época; ausência de documento que comprove a publicação do aviso de licitação; ausência de justificativa para contratação dos serviços.

Além disso, o ex-gestor deixou de realizar uma licitação para contratação de serviços de publicidades, no valor de R$ 15 mil.

No entendimento do promotor de justiça Benedito Coroba, Antonio Gomes Lima agiu “com consciência e vontade livres ao cometer as graves irregularidades”, devendo ser responsabilizado nos termos da Lei nº 8.429/92: ressarcimento integral do dano, perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.