Demolição

Mais de 10 pessoas são conduzidas à delegacia suspeitas de demolir escola em Bacuri

Os moradores, revoltados com atitude da polícia, realizaram um protesto na porta da prefeitura dessa cidade e a escola teria sido derrubada porque estava sendo construídas por cima de material inadequado.

imirante.com

- Atualizada em 04/08/2022 às 17h30

BACURI - Cerca de 13 pessoas suspeitas de demolir a Unidade de Ensino Miguel Nery, localizada no povoado São Paulo, em Bacuri, interior do Maranhão, foram conduzidas, nesta quinta-feira (4), à delegacia da cidade de Cururupu, entre eles, um professor. Segundo a Polícia Civil, o ato criminoso aconteceu na terça-feira (3), e a escola é destinada aos anos iniciais do Ensino Fundamental e Educação de Jovens Adultos (EJA).

Leia também: 

Cadeirante é regatada pelos bombeiros no bairro Bacuri

Polícia Civil prende trio em flagrante por tráfico de drogas em Bacuri

A polícia informou que os conduzidos serão ouvidos na delegacia de Cururupu. Ainda na tarde de quinta-feira, os populares realizaram um protesto na porta da prefeitura de Bacuri exigindo a liberação dos conduzidos.

Os populares estavam com pedaços de pau e atearam fogo em pneus para chamar a atenção dos profissionais da área de segurança. Muitos gritavam e exigiam a liberdade das pessoas que foram levadas pelos militares e encaminhadas para a delegacia de Cururupu.

Para acalmar os ânimos dos populares e evitar novos danos ao patrimônio público, os policiais militares foram enviados para a frente da prefeitura e houve o apoio da equipe do Centro Tático Aéreo (CTA).

Derrubada

Segundo a população, a Unidade de Ensino Miguel Nery foi totalmente derrubada pelos moradores, pois estava sendo construída por cima de material inadequado, o que colocaria em risco a vida dos estudantes e funcionários da unidade escolar.

O morador da cidade, Inácio Chepp, disse que a população derrubou a edificação porque a obra estava em construção há mais de 50 anos e, agora, a prefeitura de Bacuri só tirou o reboco antigo e rebocaram novamente. "A população se revoltou contra isso e botou embaixo. Em vez de meterem uns pilares, umas vigas, mas não meteram, só estavam rebocando de volta e já iam botar em cima e as paredes estavam todas rachando. Aí a população se revoltou e botou tudo embaixo”, disse Inácio Chepp.

A Unidade de Ensino Tancredo Neves, no povoado Madragoa que, também, oferece aulas para os anos iniciais do ensino fundamental e Educação de Jovens Adultos (EJA), teve uma parede derrubada por moradores. A outra parte da escola foi demolida pela prefeitura, que teria sido pressionada pelos moradores.

Ocorrência

O secretário de Educação de Bacuri, Rosinaldo Campelo, registrou uma ocorrência na delegacia dessa cidade e informou que a escola estava sendo reformada para servir como laboratório de informática e biblioteca, mas, acabou sendo destruída por populares.

Ele ainda declarou que um professor que teria convocado os populares para realizar esse ato criminoso e um vigilante organizou a derrubada. A ação foi filmada e posta nas redes sociais.


 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.