Alimentação

Sopa em excesso pode prejudicar paladar e mastigação do bebê

Fonoaudióloga explica como isso pode afetar as preferências por texturas e sabores a longo prazo.

Na Mira, com informações da Assessoria

- Atualizada em 23/09/2022 às 10h31
Sopa em excesso acaba por não estimular o desenvolvimento do paladar da criança.
Sopa em excesso acaba por não estimular o desenvolvimento do paladar da criança. (Foto: Reprodução/Youtube)

SÃO PAULO - Os primeiros anos de vida são essenciais para a saúde do bebê, e a primeira preocupação natural é com a alimentação além do leite materno. E o que é mais comum nesse período inicial? A famosa sopinha, que segundo os especialistas faz parte do método tradicional de introdução alimentar, período em que a criança começa a entrar em contato com os diferentes itens nutritivos. O que muitas mães não sabem é que esse tipo de alimentação em excesso acaba por não estimular o desenvolvimento do paladar da criança. 

A fonoaudióloga Carla Deliberato faz um alerta para esse tipo de alimentação contínua e os prejuízos que ela pode causar. "A mistura dos nutrientes não permite que a criança sinta o gosto dos alimentos, o que naturalmente fará ela estranhar ao entrar em contato com determinados alimentos na fase de desenvolvimento mais à frente. A questão é que, de fato, isso pode trazer alguns prejuízos", explica ela.

O primeiro ponto é o próprio paladar. Segunda ela, a pessoa pode desenvolver dificuldades com sabor e até textura da comida. "Podemos ver isso claramente no processo de transição alimentar. A criança que estava habituada a comer sopa por muito tempo passa a resistir mais quando ocorre a introdução dos pedaços de alimentos."

Outro prejuízo que a especialista alerta é o adiamento no desenvolvimento do processo de mastigação. "A criança pode adiar o exercício de mastigação, demorando um pouco mais para desenvolver essa habilidade. E esse ponto é mais sério, pois as vezes acaba envolvendo ajuda de especialista".

Para Carla, dois fatores contribuem e muito para a permanência da sopa por um longo período no cardápio: medo dos pais que a criança engasgue com outros alimentos e até mesmo praticidade de unir todos os nutrientes em uma única opção.

Uma alternativa para os pais que não querem optar pelos alimentos em pedaço é nos primeiros anos de vida justamente produzir uma alimentação mais pastosa, mas separada por sabor, como purê de batata, feijão amassado, entre outras opções. "Essas pequenas experiências auxiliam o desenvolvimento do paladar da criança". Outra sugestão é dar pedaços de alimentos bem pequenos, cozidos e macios, como uma batata cozida, por exemplo, para estimular os primeiros movimentos mastigatórios. Aos poucos, a criança exercita ambos aspectos, necessários e fundamentais para o seu aprendizado alimentar.

Independentemente da abordagem de introdução alimentar que a mãe escolher, a especialista reforça que a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que isso seja feito a partir dos seis meses de vida do bebê.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.