Em 2017

Mais de 20 trabalhadores foram resgatados de trabalhos análogos à escravidão no Maranhão

Trabalhadores eram submetidos a situações como: trabalho forçado, jornada exaustiva, condição degradante de trabalho e muito mais.
Imirante.com, com informações de Ministério do Trabalho27/01/2018 às 14h08
Mais de 20 trabalhadores foram resgatados de trabalhos análogos à escravidão no Maranhão

Neste domingo (28), será celebrado o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, criado em 2009 em homenagem aos auditores fiscais do Trabalho Erastóstenes de Almeida Gonsalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva e o motorista Ailton Pereira de Oliveira. Eles foram assassinados em 28 de janeiro de 2004, durante vistoria a fazendas na zona rural de Unaí, Minas Gerais.

Por isso, o Ministério do Trabalho divulgou os relatórios mais atualizados dos trabalhos de combate ao trabalho escravo no Brasil. Segundo o órgão, em 2017, foram realizadas 184 ações de fiscalização e combate ao trabalho análogo ao de escravo no país. Essas ações resultaram no resgate de 407 trabalhadores submetidos a situações como: trabalho forçado; jornada exaustiva; condição degradante de trabalho; restrição, por qualquer meio, de locomoção em razão de dívida contraída com empregador ou preposto, no momento da contratação ou no curso do contrato de trabalho; retenção no local de trabalho em razão de cerceamento do uso de qualquer meio de transporte; manutenção de vigilância ostensiva e apoderamento de documentos ou objetos pessoais.

No Maranhão, foram realizadas, 10 fiscalizações foram realizadas e 26 trabalhadores foram resgatados. Em decorrência disso, segundo o gráfico divulgado pelo Ministério, foram pagos um total de R$ 1.863,47 em indenizações no Maranhão.

Os trabalhadores foram retirados dos locais onde estavam e encaminhados ao Programa de Seguro-Desemprego Especial pelo período de três meses, no valor de um salário mínimo vigente. As equipes de fiscalização também lavraram autos de infração e notificaram os empregadores para que pagassem as verbas rescisórias correspondentes ao período trabalhado. Em todo o ano passado, no Brasil, foram pagos a título de verbas rescisórias o montante de R$ 2,28 milhões, mais R$ 945,43 mil correspondentes a parcelas do Seguro-Desemprego.

Os dados do Ministério mostram ainda que a prática do trabalho escravo foi encontrada tanto no ambiente rural quanto no ambiente urbano. Do total de trabalhadores regatados, 107 se encontravam em regiões metropolitanas, com maior incidência no setor de construção civil e na atividade têxtil. Já no ambiente rural, os setores que apresentam maior número de trabalhadores resgatados foram agricultura, pecuária e produção florestal.

Entre os estados, o Pará é o primeiro colocado no ranking de ações de fiscalização e combate ao trabalho escravo, com 31 inspeções, que resultaram em 72 trabalhadores resgatados. Em seguida vem o estado do Mato Grosso, com 27 inspeções e 78 resgatados, e Minas Gerais, com 15 ações e 68 resgatados.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.