Recomeço

Desabrigados pelas chuvas, em Imperatriz, tentam retomar rotina

População do Parque Alvorada I e II retorna às residências.
Angra Nascimento/Imirante.com09/04/2019 às 10h23
Desabrigados pelas chuvas, em Imperatriz, tentam retomar rotinaAs vítimas tentam reconstruir o que a chuva desfez. (Foto: Reprodução)

IMPERATRIZ - Nessa segunda-feira (8), três dias após os alagamentos, cerca de 2.500 pessoas afetadas diretamente na situação de calamidade pública em que se encontram alguns bairros de Imperatriz, voltaram às suas residências. Com ajuda da Força-Tarefa, as vítimas tentam reconstruir o que a chuva desfez. O Parque Alvorada I e II são os que apresentam suas necessidades e demandas mais urgentes.

Francisco Pereira tem 46 anos, mora com a mãe de 63 anos e o filho de 11 anos, autista. Durante a movimentação de retorno para casa, na manhã de ontem, ele relatou a experiência e afirmou ser a mais triste de sua vida. “Era 2h da manhã, quando a vizinha nos acordou e avisou do alagamento, mas quando vimos, não deu tempo de salvar muita coisa, apenas a geladeira. Era muita água e muito rápido foi levando tudo. Hoje, estamos voltando para nossa casa e só encontramos tristeza".

Para Miriam dos Santos Araújo, 46 anos, que há 16 anos mora no Parque Alvorada I, a ajuda dos órgãos e de voluntários tem sido crucial para a reconstrução do bairro e da vida de sua família. “Eu estava dormindo quando meu marido gritou e acordou todo mundo. Somos cinco pessoas lá em casa - eu, meu esposo e filhos. A água já tomava toda a casa e chegava até nossa cama. Saímos bem rápido e procuramos abrigo em outra rua que as casas tem calçadas mais altas e lá ficamos até amanhecer o dia. Aqui na quadra pegamos roupas, alimentos e agora precisamos de móveis, pois perdemos os nossos”, afirmou.

A maioria das famílias perdeu bens materiais e agora seguem na luta para conquistar novamente o que a chuva levou. É o caso de Rosana Mesquita, 43 anos, que comercializa lanches e café da manhã há cinco anos, no Parque Alvorada II. “Quando levantei de madrugada para fazer os lanches para vender vi a água entrando, só fui chamar meu filho e de repente a água tomou conta de tudo. Conseguimos salvar algumas coisas, colocando em cima das mesas. Á água parecia uma enxurrada e só com 24h o nível baixou. Agora é reconstruir o que perdemos com muita luta e sacrifício."

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.