Sampaio Basquete

Técnico campeão, Galego enaltece equipe, elogia estrelas e deixa futuro incerto

Técnico campeão da LBF com o Sampaio Basquete contou um pouco sobre bastidores da conquista.

Eduardo Lindoso / Imirante Esporte

- Atualizada em 24/08/2022 às 12h47
Rodrigo Galego e o apresentador Afonso Diniz no estúdio do Bom Dia
Rodrigo Galego e o apresentador Afonso Diniz no estúdio do Bom Dia (Arquivo pessoal)

SÃO LUÍS – O Sampaio Basquete chegou com festa em São Luís depois do tricampeonato da Liga de Basquete Feminino (LBF) e um dos responsáveis por essa campanha vitoriosa, o técnico Rodrigo Galego, foi o entrevistado do quadro esportivo do Bom Dia Mirante desta quarta-feira (24). O comandante fez questão de dar todos os méritos às atletas, falou pouco sobre seu bom trabalho, elogiou bastante a dedicação e companheirismo das atletas mais tarimbadas do elenco, mas deixou seu futuro em aberto quando o assunto foi sua permanência no comando do time.

VEJA MAIS 

Sampaio Basquete conquista o tricampeonato da Liga de Basquete Feminino

Com currículo de campeão, Rodrigo Galego sacramenta trabalho sólido com título
 

Em sua primeira resposta, Rodrigo Galego fez questão de exaltar o total comprometimento das jogadoras.

“Acho que deu muito certo, tudo que a gente desenhou, tudo que a gente pensou. Lembro muito que conversei com você aqui da ideia de começar o campeonato com a postura de campeão. De buscar vencer desde o primeiro jogo, com as atletas, ditas não famosas, né? A Patty a mais experiente, depois chegou a O’neill. Eles tiveram um trabalho nos bastidores, muito além de fazer ponto, mas de carregar as mais jovens, de dar a confiança necessária. Eu vi a entrevista da Tainá e da Érika no final e elas falam sobre isso. Não foi algo combinado entre a gente. Então, quando chegam as ditas, principais, elas já têm um movimento acontecendo, uma equipe perto da liderança do campeonato. Então, acho que esse todo, botar as próprias atletas no holofote, eu acho que foi a parte mais importante. Para mim, foi a parte que mais me tocou. Provocativamente eu dava entrevista falando que eu mais atrapalhava do que ajudava, que era uma forma de falar: ‘cara, são elas. Não é um homem que veio de fora e trouxe um sistema novo. Não, toda a minha ideia parou na primeira semana. Depois foram só elas, eu que fui tentando acompanhar”.

Porém, em seguida, o treinador falou também da sua contribuição na campanha vitoriosa, com apenas duas derrotas na temporada regular e a invencibilidade nos playoffs.

“Eu não sou bobo de falar que não teve trabalho meu, a ideia nunca foi essa, de tirar fora isso. Mas acho que o mais importante foi a rápida absorção delas a esse sistema. Eu tinha uma pressa muito grande que o sistema precisa funcionar, porque quando chegassem as principais atletas, as mais famosas, elas precisavam entrar nessa linha de trabalho. Mas eu fui prontamente abraçado pela Alana, Tainá, Érika. Elas tentaram entrar a todo momento no sistema com a gente. E a gente teve uma coisa que está nos bastidores, mas não estava muito na luz. No último mês de preparação a gente treinou com quatro atletas, porque quatro estavam com a Seleção Brasileira, e isso deu uma desmanchada na fluidez do jogo. Então muita gente ficou dizendo que tinha de ganhar de muito. Mas eu falava com elas e dizia: ‘ganhar bem é ganha. E agradeço demais elas terem acreditado na proposta de trabalho”.

Rodrigo lembrou ainda das dificuldades durante a competição, principalmente com os casos de gripe no elenco.

“Acho que o mais bonito é isso [passar por percalços]. A gente perdeu um jogo para o próprio Vera Cruz com seis atletas só disponíveis. A gente teve uma semana de gripe intensa, com todo mundo. Umas atletas que foram para o jogo tiveram gripe, mas você não viu entrevista ninguém dizendo que iria tentar. Com as seis que tinha a gente tentou vencer e quando perdeu não ficou dizendo que perdeu por causa disso. A gente conseguiu limpar essa ideia de tentar explicar erros nossos”.

Galego fez questão em elogiar suas atletas mais experientes e abriu um parêntese especial para a pivô Érika, a jogadora mais experiente do grupo.

“A chegada da Érika é um divisor de águas porque ela começa a colocar todo mundo no seu lugar, mas não no seu lugar de ‘baixa a sua bola’. É no seu lugar de luz. Gabi, você vai continuar sendo importante no time, a Tainá vai continuar liderando a gente com a Alana, O’neill, você vai continuar fazendo a sua parte. Essas chegadas das estrelas, as pessoas não têm noção de como elas abraçaram a causa”.

Por fim, o técnico falou sobre negociações com o próprio Sampaio Basquete e revelou que tem ainda outras propostas.

“Bom, eu não consigo fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo, eu não sou multitarefas. Eu tentei deixar tudo que fosse de negociação para depois da final. A gente tem algumas conversas com o Sampaio. Eu tenho algumas propostas, também, de basquete masculino, na NBB, que seria logo em seguida agora. Então eu vou tentar tomar a melhor decisão possível, mas certo que o que eu vim fazer aqui, o que foi combinado, está tudo entregue”.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.