Análise

Os riscos de duvidar de vacinas sem parecer científico

No Maranhão, dois deputados estaduais, sem comprovação científica, decidiram colocar em xeque o imunizante da China CoronaVac, responsável pela imunização de mais de 500 mil maranhenses
Carla Lima/Editora de Política15/07/2021 às 16h00
Os riscos de duvidar de vacinas sem parecer científicoCoronaVac foi a vacina aplicada em mais de 500 mil maranhenses deste o início da vacinação em janeiro deste ano (Hélia Scheppa / SEI)

Logo no início da vacinação, estava, basicamente disponível, somente a vacina da China, CoronaVac. Havia ainda a AstraZeneca, mas em menor quantidade. Mas foi o imunizante chinês que garantiu a imunização realmente dos primeiros públicos prioritários (profissionais de saúde e idosos a partir de 80 anos).

Muitas doses aplicadas depois, a eficácia da CoronaVac, no Maranhão, é colocada em dúvida devido a casos pessoais de dois deputados estaduais. Vale lembrar que no estado, receberam a vacina da China mais de 500 mil pessoas.

Chegaram e foram distribuídas pelos 217 municípios maranhenses mais de 1,2 milhão de doses da CoronaVac, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES) atualizado até o fim do dia 14 de julho deste ano. Das doses distribuídas, quase 85% já foram aplicadas.

Os gráficos da SES mostram também redução no número de óbitos entre idosos e profissionais de saúde desde o início da vacinação no fim de janeiro deste ano. Somente em São Luís, até junho, haviam caído o número de mortes de idosos a partir de 65 anos em 46%.

Mas casos pessoais de dois deputados estaduais embasam argumentos dos parlamentares para uma revacinação ou uma dose extra de vacinada para idosos e profissionais de saúde.

Revacinação no momento que, dos pouco mais de 7 milhões de maranhenses, somente pouco mais de 1,5 milhão de pessoas no estado conseguiram receber a vacina. Revacinação, no momento em que somente 20% da população recebeu algum tipo de vacina.

Mas casos pessoais de dois parlamentares deixaram a população ainda mais em dúvida quanto a vacina da China, que já vinha sendo atacada desde o início pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e seus aliados.

Casos pessoais de dois deputados estaduais do Maranhão que faz com que muitos maranhenses tentam escolher qual vacina tomar. Casos pessoais de dois deputados que levam maranhenses a não tomar a segunda dose da CoronaVac.

A ciência, neste momento, parece não ter a importância devida para os parlamentares. Ainda bem que o Ministério Público Estadual (MP), já provocado, prefere aguardar pela ciência por meio de manifestação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que, por sinal, foi quem liberou a vacinação com o imunizante chinês.

As dores da pandemia, claro, elas são individuais. As mais de 7 mil pessoas no Maranhão que perderam a vida para Covid-19 deixaram seus familiares com dores pessoais.

A ciência, no entanto, busca sempre soluções para todas estas dores de forma coletiva. E somente a ciência poderá apontar ineficácia de uma ou outra vacina. Somente a ciência que determinará revacinação ou reforço em vacina.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.