Análise

Pandemia mostra absurdo do calendário eleitoral brasileiro

Ao mesmo tempo que é massacrado pela pandemia, Brasil é assombrado por eleições que paralisam o país a cada dois anos
José Linhares Jr/da editoria de Política20/04/2021 às 16h00
Pandemia mostra absurdo do calendário eleitoral brasileiroA cada dois anos, o dinheiro do contribuinte é gasto em processos eleitorais que poderiam ocorrer há cada 4 anos (Foto: Divulgação/TSE)

SÃO LUÍS - Em 2021 todas as forças política do Brasil, pelo menos teoricamente, deveriam estar centradas na luta contra a pandemia e pela redução de seus efeitos catastróficos na sociedade e na economia. Teoricamente deveria, na prática não é o que acontece. Para infelicidade dos brasileiros, o sistema eleitoral congela o país a cada dois anos por conta de eleições. E o que deveria ser daquelas unanimidades absolutas, simplesmente passa despercebido por quase todos.

A pandemia afetou o Brasil em 2020, ano de eleições municipais. Logo no começo foi cogitado o adiamento das eleições, a unificação dos pleitos. Vereadores e prefeitos ganhariam mais dois anos de mandato e o Brasil começaria a ter apenas uma eleição a cada quatro anos.
Em meio a apelos por distanciamento social, a ideia foi perdendo força ao ponto de não chegar, sequer, a ser uma lembrança. Enquanto a ideia de unificação das eleições agonizava, a classe política foi para a rua e fez campanha.

Em 2021, passada a eleição municipal, agora é a eleição de 2022 que sequestra a atenção dos políticos. Enquanto a pandemia não dá sinais de descanso, a atenção dos políticos em relação à saúde pública descansa. O segundo trimestre inaugura a temporada de articulações políticas.
O infortúnio de enfrentar duas eleições em meio a uma crise de saúde pública de proporções mundiais é evidente em si mesmo. Contudo, há muito mais a se argumentar contra a enxurrada de eleições.

As eleições municipais de 2020 custaram bilhões aos cofres públicos. Apenas os gastos com logística representaram mais de R$ 600 milhões. “Investimento” destinado à escolha de vereadores e prefeitos. Dois anos antes custos ainda maiores foram despendidos na eleição de presidente, senadores, deputados federais, deputados estaduais e governadores.

Na matemática eleitoral a subtração do dinheiro do pagador de impostos prevalece. Faz-se em dois anos, gasta-se duas vezes, por dois processos que poderiam muito bem ser unificados.

Do ponto de vista de gestão de recursos, o calendário eleitoral brasileiro é uma blasfêmia. No entanto, não só de impropérios orçamentários se construiu o castelo infame que abriga as incômodas eleições municipais e regionais.

A divisão das eleições causa uma simbiose parasitária entre ambas. Prefeitos e vereadores já eleitos dois anos antes, por conta de estarem na “ponta da corda”, costumam ser os maiores cabos eleitorais de deputados, senadores e governadores. Estes, por sua vez, dois anos depois direcionam esforços para eleger a maior bancada de prefeitos e vereadores que puderem.

O círculo vicioso da retroalimentação eleitoral costuma ser trágica para cofres de pequenas cidades do interior cuja única função é eleger o deputado estadual, eleger o deputado federal, o prefeito e o vereador.

Além de cortar custos diretos, a unificação das eleições também reduziria os consórcios políticos.

E para finalizar, talvez o maior argumento de todos: ao invés de deixar para trás problemas da sociedade para se dedicar a eleição a cada dois anos, a classe política só o faria assim a cada quatro com eleições unificadas.

A obviedade do absurdo está posta. A razão de não ser percebido enquanto tal... Esse já é um problema muito mais complexo.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.