Imicast

Participação das mulheres no crime organizado do Maranhão

As mulheres, atualmente, são tratadas como detentoras do poder e da sabedoria dentro do crime organizado devido à estrutura empresarial que se formou nas facções.
Nelson Melo*20/12/2019 às 13h03
Participação das mulheres no crime organizado do MaranhãoFoto: Divulgação

SÃO LUÍS - Nos primeiros anos de atuação das facções criminosas no Maranhão, a mulher era percebida como sexo frágil, um ser intocável e imaculado. Essa característica, historicamente, pode ser notada na época do Romantismo literário, quando havia a imagem de que a figura feminina era inacessível, embora desejada.

A partir de 2017, o crime organizado começou a aceitá-las como integrantes, mas isso tem estreita relação com o aspecto financeiro, pois o objetivo é arrecadar dinheiro para manter e expandir o grupo. Nesse sentido, as mulheres são mais uma peça dessa engrenagem, cujo intuito é fortalecer a organização.

Ouça:



*Nelson Melo é repórter de polícia do jornal O Estado do Maranhão. Ele é Bacharel em Comunicação Social, atualmente é pós-graduando em Perícia Criminal. Possui vários artigos publicados em jornais que circulam no Maranhão, sempre sobre o tema da guerra urbana entre facções criminosas, abrangendo aspectos como gangues, sistema carcerário, violência urbana, Criminalística, Direito Penal, educação familiar e escolar, polícia comunitária etc. Além disso, Nelson Melo tem dois livros publicados sobre atuações de facções no Estado do Maranhão: “Guerra urbana – O homem vida loka” e "Guerra Urbana - Morrendo pela vida loka".

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.