Tráfico de drogas

Acusados de integrarem quadrilha comandada por detento são presos em São Luís

Ao todo, 14 pessoas foram presas acusadas de atuarem com o tráfico de drogas na região do João Paulo.
Imirante.com25/09/2019 às 16h43
Grupo preso na “Operação Forseti”. / Foto: Divulgação.

SÃO LUÍS – Nesta quarta-feira (25), a Superintendência Estadual de Combate ao Narcotráfico do Maranhão (Senarc) prendeu 14 pessoas suspeitas de integrar um grupo criminosa que atua com o tráfico de drogas em São Luís. A operação policial, batizada de “Operação Forseti”, teve início na madrugada desta quarta-feira (25).

Leia também: Operação prende grupo suspeito de tráfico de drogas chefiado por detento

Os presos foram identificados como: Vânia Lúcia Melo do Nascimento, Lucas Mateus dos Santos Máximo, Fabiana Macedo Máximo, Maria do Socorro Diniz Macedo, Roberto Rivelino Mendes Costa, Silvia Nunes de Sousa, Euline Magnólia Máximo dos Santos, Núbia Lopes da Silva, Jackson Albert Sá dos Santos, Hellington Florêncio Ferreira, conhecido como “Viola”, Nilton César Cutrim Percílio, Rosa Cristina dos Santos Silva, Maria José dos Anjos Silva e Raylana Almeida Silva.

Grupo preso na “Operação Forseti”. / Foto: Divulgação.

Os suspeitos foram presos em vários bairros de São Luís, sendo João Paulo, Parque Pindorama, Coroado, Parque Timbira e outros bairros da cidade de São José de Ribamar, na Região Metropolitana de São Luís. Segundo a polícia, o chefe da quadrilha é um detento, identificado como José Ribamar Macedo Máximo, conhecido como “Ribinha”, que comandava o grupo de dentro do presídio.

José Ribamar Macedo Máximo, conhecido como “Ribinha”. / Foto: Divulgação.

As 14 pessoas presas e o detento “Ribinha” já foram ouvidos pela polícia e autuados pelo crime tráfico de drogas, diante dos fortes indícios do envolvimento deles no crime, sendo que todos eles possuem prisão preventiva decretada.

Segundo a polícia, as investigações apontam que mesmo preso José Ribamar comandava o grupo, composto por alguns parentes seus, para traficar drogas do bairro João Paulo.

A polícia continua investigando a quadrilha, para saber se os presos têm envolvimento em outros crimes.

Ouça, na reportagem de João Ricardo da Mirante AM, mais detalhes sobre o caso:

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.