DOM | Empreendedorismo

15 mil novas empresas foram abertas em São Luís na pandemia

Abertura de pequenas empresas cresceu 18,49%, ajudando na geração de empregos e aceleração da economia
Bárbara Lauria / O Estado31/07/2021
Pizzaria inspirada em cantinas italianas, cresceu em meio à pandemia

São Luís – Com a pandemia da Covid-19, uma crise econômica se estendeu pelo país. Pessoas perderam empregos e empresários tiveram de se adaptar ao “novo normal” para não perderem seus estabelecimento. Contudo, ao contrário do cenário crítico, e aquecendo a economia, no Maranhão, a criação de novos empreendimentos no ano de 2020 superou a de 2019.

Dados divulgados pela Federação do Comércio de Bens e Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio-MA) mostram que durante o primeiro ano da pandemia, em 2020, 15 mil novas empresas foram abertas em São Luís, sendo que cerca de 70% foram Microempreendedores Individuais. Somados às microempresas e empresas de pequeno porte, representam 98% dos negócios abertos no ano passado. De acordo com especialistas, a abertura desses estabelecimentos foi um grande gerador de empregos durante esse momento de instabilidade.

“Ao longo do segundo semestre do ano passado, a economia do Maranhão presenciou uma aceleração da criação de Micro e Pequenas Empresas, com destaque para a categoria dos Microempreendedores Individuais (MEIs). Esse processo se deu em função da deterioração do mercado de trabalho formal com o agravamento da pandemia, o que fez com que muitas pessoas buscassem alguma renda por meio do empreendedorismo”, explicou Max Medeiros, Superintendente da Fecomércio-MA.

O Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Maranhão (Sebrae- MA) ainda ressaltou que o crescimento em todo o estado continuou durante o ano de 2020, e até junho deste ano, houve um crescimento 18,49% de MEIs no Maranhão.

“Pequenos negócios no ramo de comércio, alimentação e serviços em domicílio se destacaram nesse período, amenizando os impactos da pandemia sobre a renda. Além disso, com parte das famílias recebendo um incremento de renda com as transferências federais do Auxílio Emergencial, criou-se um ambiente fértil para esses microempreendedores atenderem novos mercados na própria vizinhança e nos bairros próximos”, ressaltou Max Medeiros.

Contudo, apesar da necessidade e opção pelo próprio negócio, durante a pandemia os novos empresários encontraram algumas barreiras, principalmente em relação às limitações do distanciamento social, conforme explica a gerente de Atendimento e Relacionamento do Sebrae Maranhão, Hildene Maia.

“Adquirir investimentos durante a pandemia foi a maior dificuldade desse momento, apesar do governo ter liberado créditos, eles eram mais para empresários que já estavam no ramo. Além disso, teve a questão de conhecer e trabalhar com vendas por meios digitais. Essa dificuldade precisou ser bastante trabalhada para que eles pudessem avançar nesse processo”. A gerente ainda ressaltou que durante a pandemia, cursos EaD para novos empreendedores foram ministrados pelo Sebrae com intuito de orientar e ensinar àqueles que querem abrir novos negócios. Até o momento, 68 mil pessoas já passaram pelos cursos online do Sebrae.

Para manter, também, o empreendimento durante a pandemia, Max Medeiros ressalta que é preciso ter algumas coisas em mente para garantir o sucesso desse novo estabelecimento.

“Duas palavras são fundamentais: inovação e resiliência. É necessário buscar fazer diferente do que os outros já fizeram, para se destacar junto ao consumidor. E, mais fundamental ainda, é persistir nos seus objetivos, pois o amadurecimento de um negócio leva tempo e muito esforço. O empreendedor precisar estar atento a essas novas necessidades de consumo. O produto ou serviço padronizado já não é mais suficiente, passou a ser fundamental que o empreendedor busque inovar e encantar o cliente”, ressaltou.

Restaurante foi aberto 19 dias antes da chegada da pandemia

Novos empreendimentos
Weber Maciel abriu a seu restaurante, Bravio Fogo & Parrilla ,19 dias antes dos casos de Covid chegarem ao Maranhão. Precisando fechar as portas logo no início, o empresário criou novas estratégias para manter seu estabelecimento, e gerar empregos, diante da pandemia. “Criamos um novo cardápio adaptado para delivery e passamos a atuar fortemente nas redes sociais, mas o principal foi o ‘boca a boca’ dos clientes, que ficavam bastante satisfeitos com seus pedidos. Outra estratégia foi isentar as taxas de delivery, uma vez que as entregas eram feitas pelos nossos colaboradores, e arcamos com os custos”.

A equipe, que era formada por 11 pessoas, antes pensada no serviço presencial, também precisou passar por mudanças, para que o emprego do máximo de profissionais fosse mantido. “No começo, tivemos baixas, mas adaptamos a equipe de garçons quem tinha moto para o delivery,, e os outros passaram atuar na cozinha, uma vez que a proposta inicial da Casa era abrir somente à noite, mas com o delivery passamos atuar no horário diurno também”, conta Weber Maciel, que ressaltou que outro ponto crucial para se manterem durante a pandemia, foi o bom relacionamento com os clientes.

“Atribuímos o sucesso ao boca a boca feito pelos Clientes da Casa. Quando reabrimos, tivemos que dobrar o tamanho da Casa para receber esses clientes que ainda não conheciam presencialmente, e isso foi muito bacana porque as pessoas chegavam e se apresentavam, ‘olha sou o José, aquele do delivery, estava doido para conhecer a casa’”.

Assim como Weber Maciel, Alan Fonseca criou, em parceria com seus sócios, a Fugaz, pizzaria inspirada em cantinas italianas, em meio à pandemia. Trabalhando com massas feitas à mão, o objetivo da empresa é trazer novas oportunidades e geração de emprego para a capital maranhense, além de novas experiências para os consumidores.

“O sentimento é de contribuição. De poder, em um momento tão difícil, contribuir com o nosso estado, com a nossa cidade, através do empreendedorismo. Através da geração de emprego, através da geração de renda, e poder servir as pessoas nesse momento, dar um diferencial em atende-las com um produto em um nicho específico”, destaca.

Werther Bandeira reinventou seu negócio e adaptou-se à nova realidade

Se renovando
E não foram só as novas empresas que tiveram que pensar em estratégias inovadoras durante a pandemia. Estabelecimentos que já estavam no mercado também inovaram e criaram novidades para se adaptar ao momento. Esse foi o caso de Werther Bandeira, proprietário do restaurante Villa do Vinho Bistrô. “O maior desafio foi precisar fechar o restaurante no lockdown e depois abrir parcialmente. Antes da pandemia não trabalhávamos com delivery e precisamos migrar para essa modalidade de entrega da noite para o dia. Foi desafiador mas conseguimos em menos de uma semana adotar ferramentas digitais, estar nas plataformas de entrega e ainda criar um APP próprio para pedidos. Foi uma maratona para implantar tudo isso”.

Além da adaptação, ele apelou para a criatividade para manter o emprego de seus mais de 30 colaboradores e evitar demissões na Villa do Vinho Bistrô. Com velocidade e uso das novas tecnologias, Werther Bandeira, que só atendia os clientes de forma presencial, conseguiu implantar um site para pedidos e um eficiente sistema de delivery próprio, além de aderir ao aplicativo de entregas, tudo isso em apenas uma semana.

“A maior conquista foi conseguir manter os 18 empregos diretos da Villa do Vinho mesmo com o restaurante fechado e sem nenhuma demissão. Para isso apostamos no serviço via Delivery implantada em tempo recorde e também criando novos produtos como as caixas batizadas de Box Gifts com bebidas e comidas para entregas. E também aderimos aos planos do Governo de auxílio empresarial para equilibrar o orçamento”, relata Werther Bandeira, que ainda destacou a importância da criatividade e resiliência dentro dos negócios.

“A lição é o poder da resiliência e da criatividade. Muitas vezes, o desejo era desistir mas aí surgia uma nova ideia ou criávamos um novo produto que nos ajudava a superar aquela semana. E foi assim, vencendo uma luta a cada semana, com inovação, criatividade e garra, que nos mantivemos firmes. Agora, estamos otimistas com a liberação dos eventos e horário normal. Mas seguiremos de forma muito responsável cumprindo os protocolos sanitários e fazendo uso da máscara que são necessários, além de apoiarmos incondicionalmente a vacinação. Somente com todos os maranhenses vacinados é que poderemos ter mais segurança no futuro”.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte