Vida | Alerta

Covid-19 pode prejudicar progresso em eliminação de mortes infantis evitáveis

Com o número de mortes de menores de 5 anos em um mínimo histórico de 5,2 milhões em 2019, interrupções nos serviços de saúde infantil e materna devido à pandemia de Covid-19 estão colocando milhões de outras vidas em risco
Com informações da UNICEF14/09/2020 às 09h28
Covid-19 pode prejudicar progresso em eliminação de mortes infantis evitáveisUma pesquisa da OMS revelou que 52% dos países relataram interrupções nos serviços de saúde para crianças doentes (Freepik)

Nova Iorque/Genebra – Países em todo o mundo estão enfrentando interrupções nos serviços de saúde infantil e materna, como exames de saúde, vacinações e cuidados pré-natais e pós-natais, devido a restrições de recursos e um mal-estar geral com o uso de serviços de saúde devido ao medo de pegar Covid-19.

Uma pesquisa do UNICEF realizada durante o verão do Hemisfério Norte em 77 países descobriu que quase 68% dos países relataram pelo menos alguma interrupção nos exames de saúde para crianças e nos serviços de imunização. Além disso, 63% dos países relataram interrupções nos exames pré-natais e 59% nos cuidados pós-natais.

Uma pesquisa recente da OMS baseada nas respostas de 105 países revelou que 52% dos países relataram interrupções nos serviços de saúde para crianças doentes e 51% nos serviços de tratamento da desnutrição.

Intervenções de saúde como essas são essenciais para impedir mortes evitáveis de bebês e crianças. Por exemplo, as mulheres que recebem cuidados por parteiras profissionais treinadas de acordo com os padrões internacionais têm 16% menos probabilidade de perder o bebê e 24% menos probabilidade de ter parto prematuro, de acordo com a OMS.

"O fato de que hoje mais crianças vivam para ver seu primeiro aniversário do que em qualquer outro momento da história é uma verdadeira marca do que pode ser alcançado quando o mundo coloca a saúde e o bem-estar no centro de nossa resposta", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. "Agora, não devemos permitir que a pandemia de Covid-19 retroceda um progresso notável para nossas crianças e gerações futuras. Em vez disso, é hora de usar o que sabemos que funciona para salvar vidas e continuar investindo em sistemas de saúde mais fortes e resilientes".

Com base nas respostas dos países que participaram das pesquisas do UNICEF e da OMS, os motivos mais comumente citados para interrupções nos serviços de saúde incluíram pais evitando centros de saúde por medo de infecção; restrições de transporte; suspensão ou encerramento de serviços e instalações; menos profissionais de saúde por causa de realocação de pessoal ou medo de infecção devido à escassez de equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas; e maiores dificuldades financeiras. Afeganistão, Bolívia, Camarões, Iêmen, Líbia, Madagascar, Paquistão, República Centro-Africana e Sudão estão entre os países mais atingidos.

Sete desses nove países tiveram altas taxas de mortalidade infantil, com mais de 50 mortes por 1.000 nascidos vivos entre crianças menores de 5 anos em 2019. No Afeganistão, onde 1 em 17 crianças morreu antes de completar 5 anos em 2019, o Ministério da Saúde relatou uma redução significativa em visitas a unidades de saúde. Com medo de contrair o novo coronavírus, as famílias estão deixando de priorizar o atendimento pré-natal e pós-natal, aumentando o risco enfrentado por mulheres grávidas e bebês recém-nascidos.

Mesmo antes da Covid-19, os recém-nascidos estavam em maior risco de morte. Em 2019, um bebê recém-nascido morria a cada 13 segundos. Além disso, 47% de todas as mortes de menores de 5 anos ocorreram no período neonatal, contra 40% em 1990. Com graves interrupções nos serviços essenciais de saúde, os recém-nascidos podem correr um risco muito maior de morrer. Por exemplo, em Camarões, onde 1 em cada 38 recém-nascidos morreu em 2019, a pesquisa do UNICEF relatou cerca de 75% de interrupções nos serviços de cuidados essenciais ao recém-nascido, exames pré-natais, cuidados obstétricos e cuidados pós-natais.

Em maio, uma análise preliminar da Universidade Johns Hopkins mostrou que quase 6 mil crianças a mais poderiam morrer por dia devido a interrupções relacionadas à Covid-19.

Esses relatórios e pesquisas destacam a necessidade de ação urgente para restaurar e melhorar os serviços de parto e cuidados pré-natais e pós-natais para mães e bebês, incluindo profissionais de saúde qualificados para cuidar deles no nascimento. Trabalhar com mães e pais para amenizar seus medos e tranquilizá-los também é importante.

"A pandemia de Covid-19 colocou anos de progresso global para acabar com as mortes evitáveis de crianças em sério risco", disse Muhammad Ali Pate, diretor global de Saúde, Nutrição e População do Banco Mundial. "É essencial proteger os serviços que salvam vidas, que têm sido fundamentais para reduzir a mortalidade infantil. Continuaremos a trabalhar com governos e parceiros para reforçar os sistemas de saúde para garantir que mães e crianças recebam os serviços de que precisam".

"O novo relatório demonstra o progresso contínuo em todo o mundo na redução da mortalidade infantil", disse John Wilmoth, diretor da Divisão de População do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas. "Embora o relatório destaque os efeitos negativos da pandemia de Covid-19 sobre intervenções que são críticas para a saúde das crianças, também chama a atenção para a necessidade de corrigir as vastas desigualdades nas perspectivas de sobrevivência e boa saúde de uma criança".

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte