JUSTIÇA

TST em decisão inédita, diz que motorista não é empregado do Uber

O serviço que é flexível não exige exclusividade da empresa

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h21
(motoristas de uber)

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu hoje (5) por unanimidade, negar o vínculo empregatício de um motorista com o aplicativo de transporte Uber. Essa é a primeira decisão da última instância trabalhista sobre o tema.

Todos os ministros que fizeram parte da julgamento no tribunal seguiram o voto do relator, ministro Breno Medeiros. Para ele, o motorista não é empregado do Uber porque o serviço prestado é flexível e não é exigida exclusividade pela empresa.

A medida tem efeito imediato para apenas o caso de um motorista, porém, já é um primeiro precedente do tipo no TST. O tribunal ainda considerou que o pagamento recebido não é um salário, mas sim uma parceria comercial.

As informações são da Agência Brasil.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.