Cidades | Chove problemas

Milhões de reais gastos em estradas maranhenses, por água abaixo

MAs 012, 315, 386, em Barra do Corda, Barreirinhas e Imperatriz, respectivamente, tiveram danos; estradas foram inauguradas nos últimos quatro anos e custaram mais de R$ 100 milhões aos cofres públicos
MONALISA BENAVENUTO / O ESTADO05/04/2019
MA-386, a Estrada do Arroz, na Região Tocantina, é desafio para motoristas

SÃO LUÍS - Pelo menos três rodovias estaduais, inauguradas nos últimos quatro anos pelo Governo do Maranhão, tiveram danos graves após fortes chuvas. Entre os meses de março e abril deste ano, as MAs 012 (que liga os municípios de Barra do Corda e São Raimundo do Doca Bezerra), 315 (que integra a Rota das Emoções e perpassa os municípios de Barreirinhas a Paulino Neves) e 386 (entre Imperatriz e Cidelândia) ficaram com tráfego comprometido. Para as obras, que já estão se deteriorando, o governo retirou dos cofres mais de R$ 100 milhões, além de receber investimentos da iniciativa privada.

Apesar dos gastos feitos pelo Governo do Maranhão em publicidade nacional, exaltando mais de três mil quilômetros de asfalto novo em ruas e rodovias, muitos são os problemas registrados nas obras recentes. Entre os municípios de Barra do Corda e São Raimundo do Doca Bezerra, por exemplo, a MA-012, onde serviços de pavimentação foram iniciados no ano passado por meio de investimentos de, aproximadamente, R$ 36 milhões, problemas como rachaduras na camada asfáltica e avarias no sistema de drenagem que estava sendo implantado na via já podem ser vistos por quem trafega pelo local.

A situação é ainda pior na MA-315, na estrada que compõe a Rota das Emoções e interliga os municípios de Barreirinhas, Tutoia, Araioses, Santo Amaro e Água Doce do Maranhão, ligando-os a Paulino Neves. Construída com o objetivo de facilitar o deslocamento entre o roteiro turístico do estado, a estrada foi entregue há pouco mais de dois meses, em 15 de janeiro, resultado de mais de R$ 11 milhões em investimentos públicos além de parceria com a iniciativa privada que, de acordo com o Governo do Maranhão, proporcionou a implantação de calçamento em cerca de 10 km da rodovia de 38 km.

A estrada foi danificada após as fortes chuvas que atingiram o estado durante o mês de março. Em vídeos que circularam na internet durante os últimos dias, era possível visualizar o pavimento sendo facilmente arrancado e esfarelando, além de trechos completamente alagados e de difícil acesso. Moradores e turistas que passam pelo local, surpreendem-se com a situação. “Estamos vindo de Fortaleza, pegamos este percurso por ser mais perto e pela vista dos lençóis, mas nos deparamos com essa interdição da rodovia”, contou o aposentado Edson Cursino à TV Mirante.

MA-315 com o pavimento deteriorado, mesmo tendo sido entregue há pouco mais de dois meses, em 15 de janeiro, pelo Governo do Estado

Região Tocantina
Problemas semelhantes estão sendo enfrentados por quem mora e viaja pela Região Tocantina e precisa passar pela MA-386. Isto porque, nos primeiros dias de abril, a via, conhecida como Estrada do Arroz – entre Imperatriz e o município de Cidelândia – se rompeu, impedindo a passagem, de motoristas e pedestres, isolando moradores, prejudicando acesso a serviços básicos, como atendimento médico, e inviabilizando o transporte de cargas, tidas como prioridades para a construção da via.

Inaugurada em 2016, as obras da Estrada do Arroz custaram, aos cofres públicos, mais de R$ 55 milhões sendo divulgada pelo Governo como grande destaque do Programa Mais Asfalto. A interven­ção contou com a recuperação de 44 km da via e construção de outros 11 km de estrada, alcançando, ainda, pontes, interligações de pontes, passagens de concreto sobre rios e estradas vicinais.

O Estado manteve contato com a Secretaria de Infraestrutura (Sinfra) para saber sobre os problemas. Por meio de nota, o órgão informou que, devido às fortes chuvas na região em que está localizada a MA-012, uma erosão acabou comprometendo um dos bueiros no local com a quebra de meio-fio e descida da água. A Sinfra esclareceu que já está providenciando os reparos necessários, o que não é representativo das boas condições de trafegabilidade dos 52 km da rodovia.

Quanto à Estrada do Arroz, a secretaria informou que as providências foram tomadas de forma imediata, e em menos de 24 horas, o tráfego no local foi restabelecido. Já sobre a MA 315, o órgão ressaltou que todas as ações a serem implementadas na via serão discutidas em reunião com a empresa responsável pela obra.

MA-315 é alvo de ações

Uma Ação Popular movida pelo deputado federal Edilázio Júnior (PSD) afirma que em março de 2018 o governo firmou contrato com a Construtora Sucesso S.A no valor superior a R$ 9,1 milhões para recuperação da MA-315; a empresa teria nove meses para entregar a obra. No entanto, seis meses após a assinatura do contrato, o governo autorizou o repasse de aditivo de mais de R$ 2 milhões, considerado irregular.

A Ação do deputado, que é assinada pelas advogadas Anna Graziella Santana Neiva Costa e Mariana Costa Heluy, pede, também, que seja determinada a suspensão do aditivo contratual da obra pelo governo e que a Construtora Sucesso S.A seja obrigada a refazer todo o itinerário, que se desmanchou poucos meses após a entrega.

Com base na denúncia, o juiz da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, Douglas de Melo Martins, determinou, na segunda-feira (1º), que o governo do estado se manifeste sobre a situação precária em que se encontra atualmente o trecho da MA-315, além de exigir a realização de uma perícia técnica para confirmar se houve uso de material inadequado nas obras. O juiz deu prazo de 20 dias para que o Ministério Público do Maranhão (MPMA) se manifeste sobre o caso

Ontem, o deputado recorreu, ain­da, a outros órgãos de fiscalização, como o MPMA, Ministério Público de Contas (MPC) e ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte