Cidades | SUJEIRA

Lixo de vias escorre para o mar e gera cenário degradante

Sujeira vai parar na orla por causa das chuvas; mar regurgita o material na faixa de areia da orla, causando imagem negativa aos que visitam as praias
MONALISA BENAVENUTO / O ESTADO28/03/2019
Galhos e outros resíduos sólidos vão parar no mar por causa das chuvas e são jogados na areia pelas ondas

As praias de São Luís, já prejudicadas pelo despejo in natura de efluen­tes domésticos em suas águas, sofre outro agravante durante o período chuvoso: o descarte incorreto de resíduos. Jogado em vias públicas, o lixo é carregado pelas chuvas, chega aos rios, até que, por fim, alcança os mares, que, durante a preamar, regurgitam todo o material na faixa de areia da orla, prejudicando a passagem de banhistas, além de causar uma imagem negativa aos que visitam as praias da cidade. Na manhã de ontem (27), galhos e troncos de árvores puderam ser vistos desde a Ponta d’Areia ao Caolho. Equipes do serviço de limpeza pública da capital têm atuado constantemente na região litorânea, mas atitudes precisam ser revistas pela população.

Para os banhistas, a situação oferece ainda mais perigos, visto que, camuflado sob o mar, o lixo acaba se tornando uma armadilha, como contou o surfista Rafael Dias. “Não dá para saber onde tem lixo quando a gente passa da beira do mar. Quando é percebido, a gente está pisando e, muitas vezes, já está até machucado”, relatou.

Para ele, é necessário que a população se conscientize sobre esta realidade para somar às ações do poder público. “Não adianta esperar que a Prefeitura mande limpar tudo. As pessoas precisam entender que essas atitudes não geram consequências só para quem banha no mar, mas para a cidade em geral”, ressaltou.

Galhos arrebentados
Quem trabalha no local também se incomoda com a situação, mas observa que o problema não é causado completamente pela falha humana. “Muitos desses galhos são arrebentados pela chuva. A gente vê muita árvore sem poda na cidade, e os galhos mais fracos acabam sendo quebrados pela força da chuva mesmo. Mas, no fim das contas, fica ruim para a gente, que depende das vendas e de quem visita a praia”, pontuou Lúcio Costa, que vende água de coco na praia.

Com chuvas, lixo na orla aumentou no domingo, com reforço na limpeza

O Estado manteve contato com a Prefeitura de São Luís, para questionar quais medidas vêm sendo adotadas, a fim de reduzir os problemas causados pelo descarte incorreto de lixo na cidade, e o Comitê Gestor de Limpeza Urbana informou, em nota, que desde o domingo (24), quando as chuvas ficaram mais intensas, os serviços foram reforçados e as equipes de limpeza urbana estão deslocadas por toda a cidade atendendo às demandas decorrentes das chuvas, executando serviços de remoção de árvores que desabaram e a remoção manual e mecanizada do lixo que tem se acumulado nas praias.

O maior acúmulo de lixo na orla de São Luís que tem sido observado desde o domingo é decorrente do descarte irregular feito nas áreas próximas. A água das chuvas arrasta o lixo, que se acumula na faixa de areia. Em torno de 160 toneladas de lixo foi retirado das praias de domingo a manhã de ontem. Os serviços foram ampliados e seguem intensificados até o fim do período chuvoso.

SAIBA MAIS

Sujeira nas ruas
O papel do picolé, a latinha do refrigerante e o embrulho do presente quando descartados em vias públicas, praças e terrenos afetam a higiene do ambiente e tornam tudo mais sujo. Portanto, caso você gere algum lixo, carregue consigo até a lixeira mais próxima e faça o descarte de modo correto.

Poluição ambiental
A natureza é uma das principais vítimas do descarte inadequado de resíduos. Rios, riachos, córregos, canais e lagoas e todos os seus ecossistemas sofrem com a poluição causada pelo acúmulo e descarte inadequado de lixo.

Obstrução do passeio público
Restos de reforma e sobras da construção civil dispostos em calçadas e vias atrapalham a circulação e dificultam a mobilidade urbana.

Poluição visual
Sacos de lixo dispostos fora da lixeira, resíduos de construção civil depositados inadequadamente e o material descartado em vias públicas acumulam sujeira e formam um cenário que ninguém gosta de ver e conviver.

Contaminação do solo e dos lençóis freáticos
Quando descartados de modo inadequado, determinados tipos de resíduos provenientes de estabelecimentos comerciais, industriais e unidades de saúde infiltram pelo solo e podem contaminar a terra e os lençóis freáticos que abastecem as bacias hidrográficas, poluindo o meio ambiente e água que consumimos no dia a dia.

Alagamentos e inundações em períodos de chuva
Um simples papel jogado em vias públicas pode entupir galerias de águas pluviais, que servem para escoar a água da chuva até córregos e riachos. Uma vez obstruídas por acúmulo de lixo descartado nas ruas, elas impedem a passagem da água que retorna e provoca alagamentos e inundações.

Diminuição da vida útil do aterro sanitário
Quanto mais lixo geramos, mais lixo chega ao aterro sanitário, que encurta a sua vida útil.

Proliferação de endemias
O acúmulo de resíduo em terrenos ou armazenados de modo inapropriado podem gerar a proliferação de pragas e vetores de endemias e colocar em risco a saúde pública

Prejuízos ao turismo local
Uma cidade com o aspecto sujo não atrai turistas. Quem visita a nossa cidade quer encontrar um lugar limpo e digno das belezas naturais que temos a oferecer.

Aumento dos gastos públicos com limpeza urbana
Quanto mais o cidadão promove o descarte inadequado, mais aumentam os custos com a limpeza. Um recurso que poderia ser utilizado para educação, saúde, cultura e outras áreas da gestão pública.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte