Depredação

Prédios do Centro Histórico de São Luís correm risco de desabamento

Período chuvoso, que promete ter níveis mais altos que a média, pode ser um grande facilitador de desmoronamento na região; pelo menos 80 imóveis podem ruir; em 2018, o Corpo de Bombeiros vistoriou quase 100 prédios

Emmanuel Menezes / O Estado

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h26
Número de casarões deteriorados no Centro Histórico é grande
Número de casarões deteriorados no Centro Histórico é grande (casarões)

O período de chuva chegou, e com isso uma preocupação antiga ressurge: o risco de desabamentos. São muitas as áreas de risco que podem ser encontradas em São Luís, e uma delas aparece quase imperceptível por causa da beleza exuberante que carrega: o Centro Histórico.

Dos 1.413 prédios que foram tombados na área do Centro Histórico pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), pelo menos 80 enfrentam problemas estruturais. Uma parte dos casarões coloniais localizados no Centro Histórico de São Luís e que compõem o Patrimônio Mundial da Humanidade corre o risco de desabar. São encontrados rachaduras, infiltrações e o abandono iminente, deixando à mercê da força da natureza mais de 400 anos de história.

Os prédios e casarões, em sua maioria, encontram-se com as fachadas depredadas. Nota-se a falta de azulejaria e também pichamentos em muitos muros. É comum ver, também, janelas e portas destruídas, além de muita vegetação que vem das telhas e toma conta de algumas paredes.

Calina Marques mora no Centro Histórico há mais de dois anos. Segundo a estudante e bailarina, é muito triste ver a situação de certos casarões em estado crítico junto a um conjunto tão bonito. “Converso com amigos e já pensamos nas saídas que poderiam ser feitas para que esses casarões passassem por processo de reforma, mas como bem sabemos, por ser área tombada as questões são mais burocráticas”, conta.

A arte, segundo a jovem, é a saída mais viável, visto que a região é um dos principais pontos turísticos da Ilha. “Há meios de fazer ocupação e, com isso, forçar aos poderes ou proprietários que aquele prédio ou casarão seja revitalizado”, explica. A ideia é dar um novo sentido a espaços que se encontram sem utilidade.

Em 2018, o Corpo de Bombeiros vistoriou quase 100 prédios particulares do Centro Histórico e observou que muitos correm risco de desabamento e de incêndio. Os bombeiros afirmam que uma segunda etapa de vistorias deve acontecer em breve, e 39 casas de cultura em São Luís e no município de Alcântara.

Melhorias nos prédios
O Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da cidade de São Luís é inscrito na Lista do Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco e possui, aproximadamente, 62 hectares. Visto à amplitude da região, o Iphan ressalta que a responsabilidade pela conservação do bem tombado compete aos proprietários, sejam imóveis públicos ou particulares.

Cerca de 7% dos imóveis da região apresentam estado precário, necessitando de serviços de conservação e reparos por parte de seus proprietários. De acordo com o órgão, a maioria que precisa de intervenção emergencial é de propriedade particular, o que dificulta o andamento dos serviços.

Muitas vezes, o início desse processo de reparo são pequenos serviços que os proprietários conseguem resolver com uma orientação técnica adequada, evitando que os imóveis entrem em uma situação de arruinamento. O problema se agrava ao vermos que a maioria dos imóveis particulares que estão correndo riscos estão abandonados.

Neste sentido, quando constatado que o imóvel apresenta um precário estado de conservação ou mesmo vem sendo descaracterizado, o que pode acarretar sua perda, a Superintendência do Iphan no Maranhão através do trabalho de fiscalização notifica o proprietário do bem acerca da necessidade da tomada de providências com fins de conter o processo de degradação da edificação.

Não havendo nenhum tipo de encaminhamento por parte do proprietário, a instituição estabelecerá os procedimentos específicos para apuração das infrações e aplicação das penalidades aos infratores, conforme previsto em legislação específica. Essas penalidades podem ser desde a cobrança de multas (procedimentos administrativos), bem como a aplicação pelo Poder Judiciário das sanções previstas no ordenamento jurídico brasileiro contra aqueles que cometem delitos contra o patrimônio cultural.

Em paralelo ao trabalho de fiscalização, o Iphan afirma que vem executando a restauração de 9 (nove) imóveis representativos da arquitetura luso brasileira no Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da cidade, cujo montante de recursos é de aproximadamente R$ 14 milhões.

Chuvas

No último dia 10 de janeiro O Estado noticiou que o período de chuvas no estado, que são intensificadas até o mês de maio, devem ultrapassar a média de milímetros mensais base, calculada nos últimos 30 anos. Com base nos dados apresentados pelo NuGeo, em novembro as chuvas foram sete vezes mais fortes do que o esperado com os números base; em dezembro as chuvas ultrapassaram em quatro vezes as estatísticas.

O mês de janeiro possui uma média base de 244,2 milímetros. Esse número foi batido em janeiro de 2018, onde a contagem chegou aos 332,7 milímetros, sem influência de eventos incomuns como as oscilações 30-60 dias, registradas em novembro e dezembro. Com base nisso, é esperado que as chuvas de janeiro de 2019 fiquem na casa dos 300 aos 400 milímetros.

Prédios do Centro Histórico de São Luís correm risco de desabamento

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.