Polícia | Alarmante

Violência contra a mulher cresceu em 2018 na Grande Ilha

Em 2018, a Delegacia Especial da Mulher (DEM) instaurou 1.625 inquéritos para investigar crimes de violência doméstica contra a Mulher; Em 2017, foram 1.304 inquéritos
Daniel Júnior 03/01/2019
Violência contra a mulher cresceu em 2018 na Grande IlhaDelegada Wanda Moura atribui à extensão do plantão o aumento do registro de ocorrências na DEM (Biné Morais / O ESTADO)

SÃO LUÍS - Cresceu o número de denúncias de violência doméstica contra a mulher na Grande São Luís, de acordo com informações da Delegacia Especial da Mulher (DEM). Em 2018, a DEM instaurou um total de 1.625 inquéritos para investigar crimes dessa natureza, bem superior a 2017, quando foram instaurados 1.304 inquéritos.

Ainda segundo dados fornecidos pela DEM, em 2018 a delegacia recebeu 1.870 denúncias de mulheres que foram ameaçadas de morte pelo companheiro, ex-companheiro ou pessoas de sua convivência familiar. Além desse tipo de ocorrência, a polícia foi solicitada por 1.120 mulheres que foram vítimas de lesões corporais (agressão física).

Segundo a delegada Wanda Moura Leite, o número aumentou depois que o plantão de polícia passou a funcionar 24 horas na Casa da Mulher Brasileira, no bairro Jaracati, na capital maranhense.

“Muitos casos de violência doméstica contra a mulher acontecem nos finais de semana e feriados. As vítimas tinham uma certa dificuldade em denunciar. Agora, com o plantão 24 horas da delegacia especializada, as mulheres podem vir em qualquer horário e em qualquer dia. Mas ainda sabemos que o número de denúncias é inferior ao número de casos que ocorrem”, disse a delegada.

Prisão
Ainda conforme a DEM, em 2018 433 agressores foram presos. Em 2017, ocorreram 280 prisões. Um caso de violência doméstica que foi registrado na DEM e de grande repercussão ocorreu no dia de Natal, na Vila Zenir, no bairro da Santa Efigênia, em São Luís. Uma mulher de 48 anos foi vítima de estupro, agredida e quase assassinada. De acordo com a polícia, a vítima teve uma peça de madeira introduzida no órgão genital. Ela foi encontrada com diversas lesões pelo corpo e sangramentos pela boca, nariz e na parte íntima.

Um homem identificado como Diego Silva Andrade, de 32 anos, foi preso, suspeito de cometer os crimes. “Nos informaram que o Diego é companheiro da vítima. Porém, só a investigação policial vai dizer. A mulher está muito debilitada. Ela foi muito lesionada, tanto no órgão genital, como pelo corpo. O Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) foi quem acionou a guarnição relatando a agressão. Quando chegamos ao endereço, constatamos essa crueldade”, disse o major Marcelo, que pertence ao 6° Batalhão da Polícia Militar (BPM).

De acordo com a polícia, a vítima foi agredida com pontapés e pauladas na região torácica. Muito debilitada, ela foi encaminhada para o Hospital de Urgência e Emergência Dr. Clementino Moura, o Socorrão II, onde passou por procedimentos cirúrgicos. Diego Silva Andrade foi conduzido à Delegacia Especial da Mulher (DEM), no Jaracati, e autuado pelos crimes de estupros e tentativa de homicídio.

“Foi solicitado apoio de outras guarnições para que se fizesse a captura do suspeito desses delitos. Ele estava deitado em sua residência como se nada tivesse acontecido”, finalizou o major Marcelo. l

SAIBA MAIS:

Mulheres vítimas de qualquer tipo de violência, devem acionar a Polícia Militar, por meio do 190. Além disso, podem formalizar denúncia na Delegacia Especial da Mulher DEM), que fica situada Casa da Mulher Brasileira, que fica situada na Casa da Mulher Brasileira, na Avenida Professor Carlos Cunha, n 572, no bairro do Jaracati, na capital maranhense.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.