DOM | No seu lar

Itens de cozinha que podem prejudicar a saúde quando manuseados erradamente

Panelas de aço inox ou alumínio precisam ser trocadas a cada 12 meses; tábuas de corte de madeira e plástico precisam ficar de molho no vinagre para correta higienização
02/12/2018 às 00h00
Itens de cozinha que podem prejudicar a saúde quando manuseados erradamenteAlguns itens de cozinha merecem atenção redobrada para não prejudicarem a saúde (itens de cozinha)

São Paulo - Conheça outras dicas importantes, comentadas pelo coordenador técnico da Maria Brasileira, franquia de serviços e cuidados, João Pedro Lucio.

Panela no Fogo

Comprar um jogo de panela pode não ser tão simples assim. Há uma variedade enorme de materiais no mercado que podem impactar no preparo e sabor do alimento ou até mesmo na saúde das pessoas. De acordo com o especialista da Maria Brasileira, João Pedro Lucio, todos os modelos do utensílio podem ser usados, basta ter os cuidados necessários. "As panelas de aço inox e alumínio, por exemplo, têm a fama de serem tóxicas, mas não é bem assim. Hoje em dia, a maioria das pessoas possuem esses modelos e não há nada demais nisso. Porém, é indicado que esse tipo de panela seja trocado a cada 12 meses ou quando ela começar a encrustar e não limpar direto", afirma.

Segundo o profissional, os modelos antiaderentes são os mais indicados. Apesar de serem feitos de alumínio, eles ganham um revestimento em teflon, o que evita que os alimentos grudem na panela. "A única questão é que esse tipo de panela risca facilmente, ocasionando na perda do revestimento", conta João. Caso isso aconteça, é recomendado trocar o utensilio, pois o teflon é composto de politetrafluoretileno, que quando exposto a altas temperaturas, a médio prazo, pode causar problemas ao pulmão. "O cuidado ao limpar faz toda a diferença neste caso. Se a pessoa usar apenas a parte amarela da esponja, por exemplo, o teflon será preservado por mais tempo. Ao cozinhar, deve-se optar por colheres de silicone, que não riscam."

O profissional ainda indica as panelas feitas de aço cirúrgico, cerâmica e porcelana. "São modelos que não passam nenhum tipo de substância para a refeição. Além disso, conservam facilmente o calor, são fáceis de limpar e antiaderentes", conta João.

Qual a melhor Tábua de Corte?

Tanto as tábuas de madeira quanto as de plástico, apesar de oferecerem facilidade no corte dos alimentos e possuírem baixo custo, são as mais nocivas para a saúde. "Os cortes que os materiais sofrem facilitam a aderência de restos de alimentos, além de proporcionarem um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias", diz o profissional da Maria Brasileira.

Segundo João, fazer a limpeza da maneira correta deste tipo de tábua é extremamente importante para eliminar as bactérias do objeto. "O ideal é lavá-las com água corrente e sabão neutro e depois deixá-las de molho no vinagre por 5 minutos. Após este período, o objeto deve ser seco com um papel toalha e armazenado em um ambiente arejado", explica. Além de todo esse cuidado é preciso que a troca das tábuas seja feita periodicamente.

As tábuas mais indicadas para o uso diário são as feitas em vidro ou as fabricadas em bambu e polietileno. "A única questão negativa da tábua de vidro é que o atrito com o material tira o corte da faca, que precisará ser afiada com maior frequência. Ambos os materiais podem ser lavados apenas com água e detergente, possuem grande durabilidade e não riscam", conta.

Hora de guardar os alimentos

A forma como os alimentos são armazenados é crucial para garantir a durabilidade deles. "Os potes de vidro são os mais indicados para armazenar a comida. Eles são fáceis de higienizar, não reagem ao contato com o alimento ou com o calor e podem ser refrigerados sem preocupações", afirma João. Uma segunda alternativa apontada são os modelos de inox, mas, assim como no caso das panelas, é preciso ter cuidado para não arranhar, o que liberaria os metais usados em sua fabricação.

Mais comuns no mercado, os potes de plástico produzidos com materiais, como o bisfenol-A ou BPA liberam toxinas quando entram em contato com alimentos e bebidas, prejudicando à saúde. "É preciso se atentar à qualidade do produto e ao prazo de validade do mesmo. Um pote de plástico que foi lavado inúmeras vezes acaba ficando com rasuras causadas pela esponja, o que contribui para o armazenamento de resíduos", adverte João.

Lavando a Louça Suja

Não adianta ter todo o cuidado com os utensílios de cozinha e esquecer da higiene da esponja de lavar louça. De acordo com o especialista da Maria Brasileira, o ideal é que o item seja trocado, no máximo, a cada 15 dias. "Depende muito da frequência com que a esponja é usada e da higienização que ela recebe. Uma família que a utiliza várias vezes ao dia deve fazer a troca em no máximo 10 dias. Já quem utiliza pouco, pode prolongar o uso", afirma.

Como a cozinha é um local propício para a proliferação de bactérias e germes, deve-se higienizar a esponja corretamente toda a vez que ela for utilizada. "Não basta lavá-la na torneira. O ideal é fervê-la por 5 minutos e depois deixar secar bem", finaliza.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.