Política | Investigação

Caso Nenzin: secretário de Segurança confirma prisão de dois suspeitos

Filho é o principal suspeito do assassinato do ex-prefeito de Barra do Corda, ocorrido na quarta-feira (6).
Gustavo Arruda / O ESTADO07/12/2017 às 23h06

BARRA DO CORDA - Após decisão da Justiça, a polícia prendeu, na noite desta quinta-feira (7), dois suspeitos de participação no assassinato de Manoel Mariano de Souza, o Nenzin, ex-prefeito de Barra do Corda. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os presos são dois homens, identificados como Luzivan, vaqueiro da fazenda de Nenzin, e David, que teria limpado o veículo do ex-prefeito antes da realização da perícia. Principal suspeito do crime, o filho de Nenzin, Manoel Mariano Júnior, está sendo procurado pela polícia.

Três vezes prefeito de Barra do Corda, Nenzin foi assassinado na manhã de quarta-feira (6), quando estava dentro de um carro na zona rural do município, ao lado de Júnior do Nenzin. Na primeira versão do crime, descrita por Júnior, o ex-prefeito desceu do carro para urinar, quando teria sido abordado por dois homens, que estavam em uma motocicleta e efetuaram vários disparos. O secretário de Segurança, Jefferson Portela, revelou que Júnior do Nenzin não prestou socorro imediato ao pai depois do crime.

“Ao invés de seguir diretamente para um hospital, o carro circulou no interior de um condomínio, e depois foi para a casa de uma terceira pessoa. Só depois disso, foram para o hospital. Foram 38 minutos para chegar na unidade médica, sendo que a distância para o local do crime era de cinco minutos. Isso chama a atenção”, declarou o secretário.

Jefferson Portela informou ainda que a versão inicial foi descartada com os resultados da perícia, que constataram um disparo de arma de fogo muito perto da vítima. O depoimento de Júnior do Nenzin, com muitas contradições, também facilitou a elucidação do crime.

“Na primeira observação do delegado Renílton, foi constatado que o disparo de arma de fogo foi proferido junto ao corpo da vítima, então ninguém atirou de longe. Esse disparo foi feito de dentro do veículo, atingindo a nuca da vítima. Ele (Júnior) disse ao delegado que não percebeu nada, nenhuma aproximação. Além disso, o carro parou do lado contrário de quem estacionaria para urinar, e ninguém desceu do veículo”, afirmou Portela.

A motivação para o assassinato de Nenzin seria a questão da venda de gado da fazenda da família, que era administrada por Júnior. O ex-prefeito de Barra do Corda teria notado uma irregularidade, e queria esclarecer isso com o filho, segundo as investigações da SSP.

“Algumas pessoas afirmaram, em depoimento registrado na delegacia de Barra do Corda, que o pai (Nenzin) fez uma conferência na fazenda. Eram 635 cabeças de gado, e agora só tinham 81. Os dois, Junior e Nenzin, iriam fazer a conferência”, explicou o secretário de Segurança.

Diante desse cenário, informou Jefferson Portela, foi solicitado o mandado de busca e apreensão na residência de Júnior do Nenzin, além do mandado de prisão, que serão cumpridos a partir das 6h desta sexta-feira (8), como manda a lei. Depois desse horário, as polícias Civil e Militar entrarão no local.

Repercussão

O assassinato de Nenzin causou muita comoção em Barra do Corda. O corpo do ex-prefeito foi velado durante toda a madrugada de quarta-feira e foi enterrado no fim da tarde desta quinta, no cemitério São Francisco, em Barra do Corda. No velório de Nenzin, estiveram presentes o ministro Sarney Filho, o suplente de senador Edinho Lobão e a ex-governadora Roseana Sarney, que lamentou a morte do amigo.

“Sempre estivemos juntos nas campanhas políticas. Nunca me arrependi de tê-lo apoiado, porque sei que ele sempre trabalhou muito em favor do povo barra-cordense. Ele sempre ajudou as pessoas que mais precisavam. Estou aqui, hoje, para homenageá-lo e ajudar a família, neste momento de dor, para o povo de Barra do Corda e todo o Maranhão. Estou triste e muito emocionada. Espero que Deus o receba em sua nova morada e que Deus o acolha e conforte toda sua família”, disse Roseana.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte