Geral | Tecnologia

Ataques cibernéticos devem aumentar 57% em 2017

Estudo aponta que práticas como phishing e ataques bancários são os que mais devem crescer no próximo ano
23/12/2016 às 10h28
Ataques cibernéticos devem aumentar 57% em 2017Internauta deve se precaver contra ataques cibernéticos (Reprodução)

Os ataques de links e páginas maliciosas (phishing) e os malwares que visam roubar dados bancários tendem a ser os grandes vilões do mundo digital em 2017. Segundo estudo realizado por uma empresa de desenvolvimento de aplicativos de segurança e performance mobile no Brasil, a previsão é de aumento de 90% e 30%, respectivamente, no próximo ano.

De acordo com o gerente de segurança da empresa de desenvolvimento de aplicativos, Emilio Simoni, essa tendência é amplificada pelo alto potencial de rentabilidade dos crimes cibernéticos e pelo baixo conhecimento da população em relação a práticas de utilização segura da internet.

Outra modalidade de ciberataques que também deve aumentar no ano que vem são os ransomwares, vírus que “sequestram” dispositivos e pedem o pagamento de um valor em dinheiro para desbloqueio, com previsão de 12% de novos casos.

“As ameaças do tipo phishing devem aumentar significativamente graças à facilidade do hacker em disseminar o crime via serviços de mensagens. Trata-se de uma modalidade que serve de porta de entrada para hackers iniciantes conseguirem retorno financeiro rapidamente” diz Emilio Simone, gerente de segurança.

Recomendações de segurança:

Fique de olho no IoT (Internet das coisas)
Objetos que conferem mobilidade ao usuário e estão conectados à internet, como automóveis, relógios, computadores, dentre outros, fazem parte da tecnologia de infraestrutura de IoT. A tendência é que hackers utilizem cada vez mais IoT para infecção de dispositivos, em razão da ausência de proteção, devido à limitação de hardware (parte física).

Tudo indica, também, que acontecerão grandes ataques de DDoS (negação de serviço) em 2017. Estes ataques têm como objetivo tornar um servidor, um serviço ou uma infraestrutura indisponível para os usuários, ao sobrecarregar o servidor, fazendo uso de seus recursos até que se esgotem.

Para se defender desse tipo de ataque, é necessário alterar senhas padrões de todos os objetos e utilizar palavras-chave fortes. “Quanto mais caracteres são inseridos em uma senha, mais tempo um hacker vai demorar para tentar derrubar essa barreira”, alerta Simoni.

Uma senha segura deve ter pelo menos 10 dígitos e misturar letras maiúsculas, minúsculas, símbolos especiais e números. Lembre-se de nunca utilizar datas de aniversários, nome de familiares ou qualquer outro dado que seja de fácil acesso ou conhecimento para o hacker.

Não seja ‘fisgado’ por páginas falsas
Para não ter prejuízos financeiros com o phishing (link malicioso que direciona a páginas falsas), evite clicar em links desconhecidos enviados via SMS, e-mail ou WhatsApp. Além disso, desconfie de promoções muito rentáveis.

Nunca instale um aplicativo fora de lojas oficiais e, mesmo em lojas conhecidas, analise com cuidado a quantidade de instalações e os comentários. Por fim, é importante ter em mente que pessoas mal-intencionadas se aproveitam de grandes eventos e datas comerciais, como Natal, Black Friday, entre outros, para criar promoções ou falsos apps.

Proteja seus dados
Práticas de segurança digital são importantes, mas ter um antivírus instalado no celular é imprescindível. Ele funcionará como uma barreira de segurança para garantir a privacidade dos seus arquivos.

Também é recomendável contar com ferramentas com atualização diária, que tem sistema anti-phishing com capacidade de identificar páginas falsas, e com tecnologia de proteção em nuvem.

SAIBA MAIS

Pishing - termo oriundo do inglês (fishing) que quer dizer pesca, é uma forma de fraude eletrônica, caracterizada por tentativas de adquirir dados pessoais de diversos tipos; senhas, dados financeiros como número de cartões de crédito e outros dados pessoais. O ato consiste em um fraudador se fazer passar por uma pessoa ou empresa confiável enviando uma comunicação eletrônica oficial. Isto ocorre de várias maneiras, principalmente por email, mensagem instantânea, SMS, entre outros.

Malware - abreviatura para “software malicioso” - é considerado um tipo de software irritante ou malígno que pretende acessar secretamente um dispositivo sem o conhecimento do usuário. Os tipos de malware incluem spyware, adware, phishing, vírus, Cavalos de Tróia, worms, rootkits, ramsoware e sequestradores de navegador.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte