Saúde

Rotina saudável de sono é importante para quem tem TDAH

Especialista dá dicas para pessoas com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade desligarem a mente na hora de dormir
10/12/2015 às 11h01

SÃO PAULO - Já diziam os sábios que uma boa noite de sono faz milagres e como as pessoas passam 1/3 das vidas dormindo, a qualidade do sono é um fator essencial quando se deseja ter uma vida saudável. Ao dormir o corpo entra em um estado muito importante, relaxando e descansando a musculatura, fortalecendo o sistema imunológico entre outras funções que agem semelhantes a uma restauração do organismo. Para quem possui o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), ter uma boa noite de sono é duplamente importante.

Segundo o psiquiatra Mario Louzã, o desempenho físico e mental está diretamente relacionado ao sono. "Quem possui TDAH é naturalmente agitado e tem dificuldade em focar sua atenção, e quando há falta de sono é ainda pior, pois causa queda de rendimento da atenção, que já é prejudicada no TDAH”, destaca.

O médico explico que quem possui TDAH não tratado tem a tendência de dormir e acordar em um horário mais tarde que o comum, o que não corresponde ao ciclo de horário aceito socialmente. “Para todos nós a privação de sono é ruim, se você vai deitar mais tarde e no dia seguinte acorda cedo, você rende menos e se sente cansado. Você fica fazendo esforço para tocar o dia e prestar atenção nas atividades cotidianas. No caso de quem tem TDAH, existe esse agravante porque a pessoa já tem naturalmente uma defasagem de sono”, explica o especialista.

Segundo o médico, todas as pessoas têm um ciclo chamado de sono-vigília que é regulado por uma série de hormônios associados à luminosidade, “quando faz sol durante o dia o organismo recebe a informação de que você precisa estar acordado, e quando escurece, um hormônio chamado melatonina começa a ser produzido para induzir o sono. Com a criação da luz artificial, o corpo não regula adequadamente essa função porque ainda “acha” que é de dia e isso atrapalha a indução do sono”, explica o médico.

Para facilitar o processo de indução ao sono, Mário Louzã indica: “Se você quer dormir, você precisa de um ambiente escuro, relaxante, confortável, com a temperatura adequada. No ambiente escuro você começa a produzir melatonina que é indutora de sono. É bom evitar atividades que estimulam o cérebro, não comer em excesso, não deixar a TV ligada, e não ingerir bebidas alcoólicas, café e chá”. As medidas ajudam quem precisa determinar um momento e encerrar as atividades da noite para que o cérebro se recupere. É durante o sono que o cérebro se reorganiza, consolida memórias e se prepara para o dia seguinte.

Para quem pratica atividades físicas no período noturno, o médico pondera que existem pessoas que se sentem relaxados após a atividade, outras ficam mais agitadas ainda. "Depende muito do exercício e do organismo de cada um. É preciso testar e avaliar se o exercício noturno relaxa ou desperta o indivíduo. Se despertar é preciso alterar o período de exercícios para manhã ou tarde. Existem casos que mesmo com todas as ações para ter um sono melhor, é necessário recorrer a medicações específicas para auxiliar na indução do sono. Converse sempre com o seu médico e ele indicará a melhor opção a você”, finaliza o especialista.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte