(Divulgação)

COLUNA

Marcos Silva
Marcos Silva Marcos Silva é assistente social, historiador e sociólogo.
Marcos Silva

O progresso da humanidade, o caminho para a superação do capitalismo 

Marx ainda em sua época já chamava atenção para o fato de o capitalismo ser a formação socioeconômica mais revolucionária entre as já existentes.

Marcos Silva

Marx ainda em sua época já chamava atenção para o fato de o capitalismo ser a formação socioeconômica mais revolucionária entre as já existentes. De tal maneira, que na atualidade a sociedade do capital demonstra ter ultrapassado a sua utilidade histórica social. O modo de produção burguês é um obstáculo ao desenvolvimento global e está condenado a ser eliminado pelo progresso da humanidade e da tecnologia.

Tal fato citado acima leva ao desespero uma parte das forças burguesas, isso resulta no aparecimento de posições com pensamento ultradireita e ultra neoliberal como forma de alimentar a respiração da burguesia na decadência global da sociedade do capital.

O modo de produção capitalista tem se utilizado da destruição permanente das forças produtivas (homem, mulher, natureza e tecnologias) como forma de se reinventar.  Isso leva na gestão das crises econômicas a usar novas tecnologias para destruir empregos e garantir uma maior fatia de lucros. Nas crises ambientais usa uma ideologia perversa de que tudo é possível em nome dos lucros, isso inclui a devastação da Amazônia para os garimpeiros e madeireiros.

Diante do atual quadro de decadência capitalista têm surgido movimentos de ultradireita em nível global. Claro que com características distintas a depender de cada local e dos contextos históricos, sociais, políticos e culturais de cada país.

Nos Estados Unidos os movimentos de ultradireita se expressam no reaparecimento de forças supremacistas brancas e na violência contra afrodescendentes, também o aparecimento de milícias contra os imigrantes de diversas nacionalidades, entre elas os árabes e latinos. Essas forças fortalecem a candidatura do Trump como forma de unificar esse pensamento ultra nacional, uma nova espécie de fascismo.

Na Europa o fascismo aparece na formação de partidos do tipo na Alemanha: o Alternativa (AFD), o Partido do Povo, na Dinamarca, na Áustria: o Partido da Liberdade e na Espanha o VOX. Na França: a Frente Nacional liderada por Marine Le Pen com seus discursos radicais contra a imigração.

No leste europeu, a Rússia com o governo conservador de Vladimir Putin que se apoia no nacionalismo e favorece as forças de extrema direita e antissocialistas. Então, o nacionalismo russo busca avançar na expansão de sua economia com as empresas de famílias e gangues que resultaram do ataque ao Estado Socialista posterior a Perestroika e Glasnost de Mikhail Gorbatchov.

O que favorece a Rússia na conjuntura é o fato de o país ser um dos principais produtores mundiais de petróleo, gás natural, metais e produtos agrícolas e uma forte intervenção estatal. Tal situação leva a muitos intelectuais de direita a pensarem que a Rússia ainda é socialista.

No Brasil as forças de ultradireita e fascistas se expressam no bolsonarismo que surge a partir de armações jurídicas e midiáticas contra os governos do PT no período de 2003 a 2014. A história do Mensalão em 2005, que a partir de uma versão do Roberto Jefferson do PTB criou a ideia de que o governo do PT assegurava uma ajuda financeira para os deputados mensalmente, Roberto Jefferson um político sem escrúpulos. Além da Lava Jato do Sergio Moro e Dallagnol em 2014. Pois tal situação gerou na sociedade uma indignação contra a corrupção e tentaram criminalizar o PT e o Lula como produto colaborou para fortalecer as posições de ultradireita.

Ou seja, todas as organizações de ultradireita são parte do último suspiro do modo de produção do capital. O certo é que assentados em discursos xenofóbicos, racistas, machistas, autoritários, nacionalismo ao extremo, fortalecimento das forças de segurança nacional, contra as políticas públicas e sociais estatais, defendem em alguns casos as expulsões de imigrantes. Tais forças são contra o progresso da humanidade, pois sabem que quanto maior a quantidade de territórios com desenvolvimento econômico e social, mais o capitalismo é superado pelas forças do progresso da humanidade.

No Brasil a derrota do neofascismo e o avanço do progresso da humanidade passa pelo fortalecimento das forças políticas do democrático e popular. A busca do desenvolvimento nacional com a expansão das políticas públicas e sociais para quem dela necessite. O desenvolvimento de tecnologias para a indústria brasileira e o fortalecimento da produção de alimentos. O PT deve liderar uma frente ampla pelo desenvolvimento nacional e fortalecimento dos direitos sociais visando reduzir as desigualdades econômicas e regionais. 

As opiniões, crenças e posicionamentos expostos em artigos e/ou textos de opinião não representam a posição do Imirante.com. A responsabilidade pelas publicações destes restringe-se aos respectivos autores.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram, TikTok e canal no Whatsapp. Curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.